Sábado, 19 de Junho de 2021

“Há uma incapacidade manifesta da saúde pública em gerir o processo”

Nuno Vaz pediu uma maior coordenação e cooperação no âmbito da situação epidemiológica do concelho e disponibilizou recursos humanos da câmara para ajudar as autoridades de saúde pública neste processo

-PUB-

“Há uma incapacidade manifesta da saúde pública em gerir este processo e percebeu-se que não há a necessária coordenação entre a Autoridade de Saúde e a Saúde Familiar”, é a conclusão do autarca de Chaves depois de, na semana passada, se ter reunido com a comunidade escolar, instituições que acolhem idosos e proteção civil municipal, acrescentando que essa incapacidade de recursos humanos, “apesar de não ser reconhecida”, pode, nalguns casos, “estar a gerar nas instituições e cidadãos, a sensação de não estarem a ser acompanhadas”. 

Já por diversas vezes, o autarca de Chaves sublinhou que a única informação que lhe é prestada advém do boletim epidemiológico lançado, diariamente, pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.