Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Igreja de Covas do Barroso vai ser restaurada

No âmbito das compensações pela construção das barragens do Cascata do Alto Tâmega, a Igreja de Covas do Barroso, em Boticas, vai ser restaurada. 

Segundo um comunicado da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), a intervenção pretende conservar e valorizar este templo religioso, datado do século XIII, que ao longo do tempo sofreu várias alterações, mas manteve sempre a sua essência. 

A igreja, que se encontra com alguns sinais de degradação no interior, tem à sua volta um adro, onde se localiza a torre sineira. 

Além deste monumento histórico, vai ser também intervencionada a igreja de Serzedelo em Guimarães.  

Lançado em 2010, o Plano de Restauro do Românico Atlântico envolve o Ministério da Cultura de Portugal, a Junta de Castilla y León e a Fundação Iberdrola, tendo como objetivo o restauro e manutenção do património de arte românica, atuando em monumentos situados perto dos rios Douro e Tâmega.

Os protocolos foram assinados na terça-feira e englobam o Ministério da Cultura, Fundação Iberdrola e câmaras de Boticas e Guimarães.

O investimento global ascende a 4,5 milhões de euros, em que se pretende recuperar o património cultural, natural e social da região. Além disso, a DRCN explica ainda que o plano quer também dinamizar a atividade socioeconómica e potenciar a cooperação transfronteiriça entre Espanha e Portugal.

O empreendimento hidroelétrico do Alto Tâmega é um dos maiores projetos hidroelétricos realizados na Europa nos últimos 25 anos e prevê a construção de três barragens (Daivões, Gouvães e Alto Tâmega), onde serão investidos 1.500 milhões de euros e criados 13.500 empregos diretos e indiretos durante o período de maior volume dos trabalhos, que ocorrerá entre 2018 e 2020.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.