Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022

Inauguração da renovada esquadra

A inauguração da renovada esquadra da PSP de Vila Real, a atribuição de condecorações a vários agentes e a mensagem de esperança no futuro deixada por Ascenso Simões, no âmbito da reforma das forças de segurança, marcaram a comemoração dos 124 anos de trabalho da Polícia, no distrito transmontano. “Estamos a viver um momento relevante […]

-PUB-

A inauguração da renovada esquadra da PSP de Vila Real, a atribuição de condecorações a vários agentes e a mensagem de esperança no futuro deixada por Ascenso Simões, no âmbito da reforma das forças de segurança, marcaram a comemoração dos 124 anos de trabalho da Polícia, no distrito transmontano.

“Estamos a viver um momento relevante e importante, porque se está a desenvolver um novo paradigma de relacionamento, entre o Governo e as Forças de Segurança”, sublinhou Ascenso Simões, Secretário de Estado da Administração Interna, durante a cerimónia oficial de comemoração do 124.º aniversário da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Vila Real.

O Secretário de Estado referiu que, “pela primeira vez, em Portugal”, está a ser criado “um plano plurianual de investimentos para as forças de segurança e uma lei de programação que já existia para as forças armadas e que permite saber onde e como vão ser feitos os investimentos”.

O plano “Portugal em Segurança”, da responsabilidade do Ministério da Administração Interna, pretende, exactamente, como explicou o mesmo responsável político, “afirmar o papel das forças de segurança”.

“Temos que lhes dar um novo tempo, temos que aumentar as suas capacidade de intervenção, temos que as valorizar, sob o ponto de vista institucional, mas, também, ajudar todos aqueles que, na rua ou nas esquadras, nos ajudam e nos protegem”, lembrou Ascenso Simões, deixando, também, uma palavra aos cidadãos, para que também apoiem os agentes da PSP, na sua “função de garantir a segurança”.

Depois da cerimónia, o membro do Governo inaugurou a renovada esquadra de polícia de Vila Real e as novas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, ambos localizados no edifício do Governo Civil.

Durante a cerimónia, Serafim Tavares, Comandante vila-realense, começou por recordar a primeira ordem de trabalhos, datada do dia 21 de Abril de 1883 e assinada pelo primeiro Comandante da Polícia de Vila Real, Francisco Alberto Pereira Cabral, que era, simultaneamente, administrador do concelho. Depois de uma breve viagem à história da polícia, na capital de distrito, Serafim Tavares, que, há pouco mais de um ano, assumiu a Direcção do Comando de Vila Real, aproveitou para fazer um balanço sobre a actividade daquela força de segurança, no ano de 2006.

Durante o ano passado, a PSP fez 1.140 “Operações Stop”, na sequência das quais fiscalizou 11.594 veículos, que resultaram na elaboração de 8.405 autos de contra-ordenação, por condução ilegal (que incluiu a detenção de 54 condutores), 2.128 autos por condução sobre o efeito do álcool (tendo sido detidos, por esta infracção, mais 33 indivíduos).

As estatísticas da PSP revelam, ainda, um caso de homicídio, por negligência, 14 detenções por tráfico de estupefacientes, o registo de 1.544 queixas, a realização de 40 acções de fiscalização a estabelecimentos comerciais e outras tantas relacionadas com a área das armas e explosivos, com acções desenvolvidas em pedreiras, armeiros e paióis, entre muitos outros números que, apesar de tudo, mostram que Vila Real não é uma cidade preocupante, quando se fala na segurança dos cidadãos. Por exemplo, “os poucos indivíduos conotados com a venda ilícita de estupefacientes são conhecidos e estão controlados”, sublinhou Serafim Tavares, referindo, também, outra estatística positiva, em Vila Real: o facto de o Comando da PSP ser o que, a nível nacional, mostra “o menor índice de criminalidade, em estabelecimentos de ensino”.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.