Domingo, 13 de Junho de 2021

Joaquim Branquinho é o novo comandante do RI 13

O tenente-coronel Joaquim Branquinho tomou ontem posse como comandante do Regimento de Infantaria 13, substituindo no cargo o coronel José Dias Lage, que dirigiu a unidade vila-realense desde outubro de 2018.

-PUB-

Natural de Évora, Joaquim Branquinho tem 53 anos e foi nomeado por despacho do general-chefe do Estado-Maior do Exército, José Nunes Fonseca.

Com 33 anos de serviço, o tenente-coronel está habilitado com o curso de infantaria da Academia Militar que frequentou entre 1987 e 1992, o curso de promoção a Capitão em 1997, o curso de promoção a Oficial Superior em 2002/2003 e o curso de Estado-Maior em 2008/2009.

Possui ainda o curso Militar Internacional, tirado em San Remo Itália, sobre Direito Internacional Humanitário e dos Conflitos Armados, uma pós-graduação em culturas regionais portuguesas e uma pós-graduação em estudos da paz e da guerra, além de outros cursos e estágios.

Ao longo da sua carreira, prestou serviço em várias unidades do país, como no RI1 e no RI3, onde exerceu funções de comandante de Pelotão e comandante de Companhia de 1992 e 1998. De janeiro a julho de 2000, esteve em missão na Bósnia-Herzegovina. Desempenhou ainda as funções de adjunto do general-chefe do Estado-Maior do Exército, entre outras funções.

Da sua folha de serviços constam 10 louvores, dos quais oito de oficial general e dois de outras entidades militares. Possui ainda várias condecorações, as quais destacamos uma medalha de serviços distintos grau prata, medalhas de mérito militar de 2ª e 3ª classe, medalha de D. Afonso Henriques e medalha de comportamento exemplar.

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou o oficial com a Ordem Militar de Avis, grau comendador. 

O novo comandante do RI13 é casado e tem dois filhos.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.