Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Jogo com a Rússia “vai ser o mais díficil”

Quem o diz é Jorge Braz, o selecionador português de futsal. Equipa das quinas vai jogar a final do Europeu diante da Rússia, depois de ontem ter eliminado a Espanha, nas meias finais.

O selecionador português de futsal, Jorge Braz, não tem dúvidas de que a final do Europeu2022 será o jogo “mais difícil” do torneio.

“A Rússia é a única seleção, a par de Portugal, que ganhou os jogos todos. É a seleção com os melhores indicadores neste Europeu e tem uma variabilidade de jogadores que lhes traz uma riqueza enorme em termos de jogo. Não tenho dúvidas de que é o jogo mais difícil que vamos ter. Temos muita consciência da dificuldade”, afirmou o treinador, este sábado, em antevisão à partida.

Ainda na ‘ressaca’ de uma reviravolta de contornos épicos contra a Espanha, por 3-2, nas meias-finais, a equipa das ‘quinas’, campeã europeia e mundial em título, enfrenta os russos este domingo, na partida decisiva da prova, com apenas um dia de intervalo.

“Temos de baixar a adrenalina, perceber que vem aí um desafio difícil, que marca algo que realmente queremos muito. Vamos ter de ser consistentes e ter enorme orgulho no que fazemos. Está tudo muito tranquilo, até há brincadeiras e barulho a mais nas refeições. É sinal do ambiente que se vive aqui. É uma satisfação brutal estar aqui com esta gente. Estava aqui todo o ano, sem problema nenhum”, assumiu o selecionador, acrescentando que “temos de ter consciência da importância do jogo e de que nada do que está para trás conta ou nos dá alguma vantagem”.

Portugal e Rússia disputam a final do Europeu2022 de futsal no domingo, a partir das 17:30 locais (16:30 em Lisboa), na Ziggo Dome, em Amesterdão, depois de Espanha e Ucrânia decidirem o terceiro e quarto lugares da prova às 14:30 (13:30).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.