Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

jovem perdeu a vida nas obras da Barragem do Tua

Um homem, de 26 anos, natural de Sanfins do Douro, perdeu a vida, no dia 12, na sequência de um acidente de trabalho ocorrido nas obras da Barragem do Tua, que desde o início da sua construção já vitimou cinco pessoas.

-PUB-

Bruno Esteves, a vítima mortal do acidente, que trabalhava para o consórcio construtor Mota Engil/Somague/MSF, não resistiu aos ferimentos de uma queda de cerca de 30 metros, tendo falecido no local, pouco depois das seis da manhã.

A EDP, empresa responsável pela Barragem, abriu um inquérito interno para determinar as causas do acidente, no entanto já adiantou, em comunicado, que a queda "foi provocada pelo embate de um balde de betonagem num contentor".

Para o local foram mobilizados os bombeiros de Alijó, a Guarda Nacional Republicana e o Instituto Nacional de Emergência Médica, tendo sido chamado o helicóptero de emergência que, no entanto, não chegou a fazer o transporte da vítima.

Bruno Esteves, que atualmente residia no concelho de Sabrosa, era casado e tinha uma filha de dois anos, é a quinta vítima mortal registada nas obras daquela infraestrutura, que começaram em 2011.

O primeiro acidente mortal na barragem aconteceu em janeiro de 2012, altura em que uma derrocada ceifou a vida a três trabalhadores. Já em maio do ano passado, um outro operário, de 50 anos, morreu na sequência de uma queda de cerca de 10 metros.

O empreendimento hidroelétrico, concessionado à EDP e orçado em cerca de 305 milhões de euros, começou a ser construído há três anos e deverá estar concluído em setembro de 2016, contando atualmente com o envolvimento de mais de mil trabalhadores.

MM

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.