Sábado, 28 de Janeiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Mais trabalhadores despedidos

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte emitiu um Comunicado, no qual denuncia o encerramento de pousadas, com o consequente despedimento de trabalhadores. Segundo esta organização sindical, “a Administração do Grupo Pestana decidiu encerrar mais duas pousadas e proceder ao despedimento colectivo de todos os seus trabalhadores. As […]

-PUB-

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte emitiu um Comunicado, no qual denuncia o encerramento de pousadas, com o consequente despedimento de trabalhadores.

Segundo esta organização sindical, “a Administração do Grupo Pestana decidiu encerrar mais duas pousadas e proceder ao despedimento colectivo de todos os seus trabalhadores. As pousadas em causa, desta vez, são a de S. Gonçalo, em Amarante, na Serra do Marão; e a de Vale do Gaio, em Torro, Alcácer do Sal.

O Grupo Pestana, invocando prejuízos sucessivos ,durante três anos, nestas pousadas, comunicou o seu encerramento já no final do corrente mês, assim como o consequente despedimento de todos os trabalhadores.

Assim, catorze trabalhadores da Pousada do Marão e sete do Vale do Gaio estão na iminência de serem despedidos, já no final do mês de Outubro.

Recorde-se que, desde a privatização da gestão das pousadas, em 2003, o Grupo Pestana já procedeu à extinção de mais de 300 postos de trabalho, procedeu ao encerramento de pousadas, encerrou secções e serviços e transferiu de local de trabalho, sob pressão, muitos trabalhadores.

Em nosso entender, todas as pousadas são importantes, para o produto turístico que as Pousadas de Portugal representam. Encerrando pousadas atrás de pousadas, está a ser posto em causa o produto turístico, no seu todo.

A intenção do Grupo Pestana é encerar todas as pousadas regionais e ficar, apenas, com as históricas, salvo se alguma regional tiver uma ocupação espectacular e der muito lucro.

Contudo, no período que precedeu à compra da gestão das pousadas, o Grupo declarou que não iria fazer quaisquer despedimentos.

O Sindicato já protestou, junto da empresa, mas, até à data, não recebeu qualquer resposta”.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.