Quinta-feira, 21 de Outubro de 2021

Manoel de Oliveira vai receber doutoramento honoris causa

No dia que comemorou um quarto de século de existência, a UTAD vai atribuir mais dois doutoramento honoris causa. Num dia marcado pelas homenagens, a academia transmontana imputou o nome do ex-reitor Fernando Real ao Museu de Geologia e ao edifício da reitoria. Foi também confirmado que dentro de 15 dias, “sem derrapes financeiros ou temporais”, estará concluído o novo edifício de Ciências Veterinárias/Bloco de Laboratórios

-PUB-

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) vai atribuir ao cineasta Manoel de Oliveira e ao enólogo Francisco Olazabal o doutoramento honoris causa, anunciou o reitor Carlos Sequeira, no dia 22, durante a cerimónia de comemoração dos 25 anos da academia transmontana.

A atribuição dos dois doutoramentos surge como forma de homenagear a região do Douro, com a qual as duas personalidades têm fortes ligações. “Trata-se do reconhecimento de toda a divulgação da região através dos seus filmes”, explicou Carlos Sequeira relativamente ao doutoramento que será atribuído ao cineasta centenário que, além de utilizar a paisagem duriense como cenário nas suas produções, “tem propriedades na região e visita regularmente o Douro”.

De recordar que, a região inspirou Manoel de Oliveira para a criação de filmes como, o documentário “Douro, Faina Fluvial”, de 1931, até ao mais recente enredo de “Angélica” (rodado em 2010), passando por títulos bem conhecidos como o “Vale Abraão”, de 1993.

Este ano, o mais velho cineasta no activo do mundo, actualmente com 102 anos, vai ser ainda homenageado pela região através da atribuição, pelo Douro Film Harvest – Festival de Cinema do Douro, de um prémio com o seu nome.

Relativamente ao segundo doutorado honoris causa, Carlos Sequeira explicou que se trata de um enólogo que “não virou costas ao muito empresarial”, que foi “chanceler mor da Confraria do Vinho do Porto, projectando-o por todo o mundo”.

O reitor da UTAD adiantou que, devido às dificuldades no agendamento da entrega dos dois diplomas, é possível que “sejam organizadas duas cerimónias”, ficando apenas a certeza de que os doutoramentos serão entregues ainda este ano.

As comemorações dos 25 anos da Universidade serviram também de palco para uma homenagem ao ex-reitor Fernando Real que agora tem o seu nome no Museu de Geologia e no edifício da reitoria. “O museu e o próprio edifício passam a chamar-se Professor Fernando Real”, confirmou o Carlos Sequeira, sublinhando que o edifício em causa, foi o primeiro a ser construído de raiz na quinta dos Prados, foi o embrião” do que é hoje a UTAD.

Falando em infra-estruturas, o reitor adiantou que, dentro de 15 dias, e sem quaisquer derrapes temporais ou financeiros”, ficará concluída a obra de construção do edifício de Ciências Veterinárias/Bloco de Laboratórios, um investimento de contará agora com o lançamento do concurso público internacional para a aquisição dos equipamentos.

Orçada em 9,4 milhões de euros, a obra contou com um apoio do Quadro de Referência Nacional Estratégica, através do Programa Operacional de Valorização do Território, de 70 por cento. “Temos que acordar com a tutela financiamentos complementares para dar plena funcionalidade para um edifício que é de última geração e permitirá que a Universidade possa desenvolver uma nova investigação, voltada para uma segunda década do segundo milénio que se espera difícil e exigente em termos de desafios”, sublinhou o actual reitor.

Ainda este ano deverá também ser aprovado o Parque de Ciência e Tecnologia, um projecto criado em parceria com o Instituto Politécnico de Bragança, as Câmaras Municipais de Vila Real e Bragança e a PortusPark – Rede de Parques de Ciência e Tecnologia, e que consiste na criação do Regia Douro Park, centrado na área agro-alimentar, mais exactamente no sector do vinho e da vinha, e do Brigantia Eco Park, que focará a temática do ambiente e das energias renováveis.

Somando 25 anos de existência, a UTAD tem hoje cerca de oito mil alunos, 487 doutores e cerca de 400 funcionários não docentes.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.