Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

Monarquia governava melhor o país

Em visita às instalações da Santa Casa de Misericórdia de Peso da Régua, o pretendente ao trono de Portugal, D. Duarte de Bragança, não teve pejo em afirmar que “a situação económica do país não tinha chegado onde chegou se a monarquia estivesse no poder”.

-PUB-

O monarca sustentou que em termos de custos “todos os reis da Europa são mais baratos do que a actual presidência da República, com a excepção da Rainha de Inglaterra, que é rainha de uma dúzia de países”.

Em declarações exclusivas ao Nosso Jornal, D. Duarte teceu algumas considerações pertinentes sobre a actual crise, defendendo o regime monárquico como solução. “Estou ciente que se existisse um Rei já teria alertado, há muito tempo, os políticos para a situação em que estávamos a entrar. Estou convencido que o exemplo e o apoio que um Rei pode dar aos governantes são sempre muito úteis. Se verificarmos, na Europa de hoje, os países que têm reis e rainhas estão sempre na linha da frente a nível do progresso humano. Nomeadamente, os reinos da Escandinávia, Reino Unido, a própria Espanha que passou à frente de Portugal, quando estava bastante mais atrasada, há uns anos atrás”.

D. Duarte quantificou a importância da figura do rei na vida de um país. “Ter um rei à frente de um país é um trunfo e uma vantagem para a democracia, já que serve de árbitro, de supremo juiz, ao contrário de um político, que, apesar de ser eleito pelo povo, tem sempre um compromisso com o seu próprio partido, mesmo que seja independente. Um exemplo é o nosso Presidente da República, pessoa que muito admiro. Mas, basta ver agora na campanha eleitoral, a oposição a chamar-lhe todos os nomes porque é do partido contrário. Como é possível que depois de ser eleito apenas por uma parte do eleitorado, passe a ser o presidente de todos?” – interrogou D. Duarte.

O monarca esteve nas instalações da Casa da Criança sempre na companhia do Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Peso da Régua, Manuel Mesquita, que “ficou sensibilizado” e agradeceu a sua visita à instituição, onde teve a oportunidade de assinar o livro de honra, que já contém as assinaturas do Rei D. Carlos I e D. Luiz I. Depois, a figura monárquica deslocou-se a Lamego, onde foi recebido nas Caves da Raposeira, marcando ainda presença no tradicional jantar dos Conjurados.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.