Sexta-feira, 25 de Junho de 2021
©Arquivo VTM

Município contra um posto de GNR como “um mero balcão de atendimento”

O município de Vila Pouca de Aguiar continua inconformado com o funcionamento atual do posto da Guarda Nacional Republicana (GNR) em Pedras Salgadas, tendo sido aprovada, por unanimidade, pelos deputados municipais, uma moção contra o facto de o posto ser “um mero balcão de atendimento”.

-PUB-

Alberto Machado, presidente da autarquia, refere que “é fundamental que o Estado preserve bens e serviços públicos, o que não está a ser feito como se verifica com o funcionamento do posto de segurança na zona Norte do concelho”, o que pode levar a que a criminalidade aumente. 

Em comunicado enviado à comunicação social, o município dá conta de que a moção “Falta de Segurança da população Aguiarense face à Reestruturação dos Serviços do Posto de GNR de Pedras Salgadas” mostra que a “população vive em constante sobressalto”, sente-se “desprotegida, abandonada e com medo”, receando mesmo pela “sua segurança pessoal e a dos seus bens”. 

No documento lê-se ainda que este novo alerta está intimamente relacionado com “uma onda de assaltos na zona Norte do concelho” durante o mês de dezembro e após a reestruturação dos serviços no passado mês de jungo, do ano passado. 

Esta restruturação, que aconteceu no verão, em Pedras Salgadas levou a que o posto da GNR sirva apenas como “um mero balcão de atendimento”, com um funcionamento das 9h às 17h, acusam. 

O posto em causa serve mais de cinco mil habitantes das freguesias de Bornes de Aguiar, Bragado, Capeludos, Sabroso de Aguiar, Vreia de Bornes, Valoura e da União de Freguesias de Pensalvos e Parada de Monteiros. 

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.