Terça-feira, 11 de Maio de 2021

“Não vou desistir até que o meu pai venha para Portugal”

Joana Covas trava a luta para trasladar o corpo do pai, que morreu em Angola, a 22 de fevereiro, para “o seu país” e “tal como era de sua vontade”. 

Augusto Covas, de 51 anos, morreu a 22 de fevereiro, no Lubango, província de Huíla, em Angola, onde trabalhava desde 2008, na empresa Angobetão. Foi sepultado na província angolana, onde morava, uma semana depois, contra a vontade dos dois filhos portugueses. 

Desde então, Joana Covas, a filha mais velha, tem movido montanhas para conseguir “trazer o pai” para Portugal. “Apesar de já estar a viver em Angola há alguns anos e de ter adquirido a nacionalidade angolana, sempre foi vontade do meu pai regressar ao seu país”. 

Após saber da notícia da morte do pai, Joana e a família em Portugal trataram de toda a documentação necessária para que o corpo fosse trasladado, mas o processo tornou-se mais

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.