Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

O interior não é “caro”. Nem “ineficiente”

A leviandade com que o Governo fecha serviços ou instituições na nossa região, não dando sequer uma justificação clara e objetiva na maioria das vezes, só pode deixar qualquer transmontano e alto-duriense de cabelo em pé.

-PUB-

Mais grave se torna, quando somos confrontados com declarações como as proferidas esta semana pelo Sr. Primeiro-ministro, em que qualifica o interior com adjetivos de lata amplitude como “caro” ou “ineficiente”. Dizer essas palavras, não apresentando dados concretos ou estudos que o suportem é de uma injustiça tremenda.

O Governo deve operar com o rigor e exatidão que as circunstâncias exigem. O “caro” e o “barato” devem ser quantificados e medidos. Se assim fizer, certamente que chegará à conclusão inversa. O que nos sai caro é o centralismo. O desperdício é decerto maior nos serviços e organismos de Lisboa.

Além de que o custo em euros não pode ser o único critério.

A gestão estratégica de

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

Mais Lidas

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.