Sábado, 16 de Outubro de 2021

Objetivo do Atei FC era chegar ao segundo lugar da tabela

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) deu por concluídas as provas não profissionais de futebol e futsal da época 2019/2020. Uma decisão que, apesar de prematura, é aceite pela maioria dos clubes.

-PUB-

A última jornada dos campeonatos distritais da Associação de Futebol de Vila Real (AFVR) aconteceu no dia 8 de março. Nessa altura, e ao cabo da 23ª jornada, o Atei FC ocupava o quarto lugar da tabela classificativa, com 45 pontos, a dois do terceiro classificado, e “o nosso objetivo era chegar ao segundo lugar. Tínhamos hipótese para isso até porque estávamos a dois pontos do Vilar de Perdizes e ainda íamos receber o Vidago”.

José Rodrigues, presidente do Atei FC, recebeu a notícia do cancelamento das provas “através da AFVR, se bem que a FPF também publicou algo sobre isso”. Na opinião deste dirigente, “estamos perante um problema de saúde pública pelo que temos de aceitar a decisão”.

Quanto aos jogadores “seguiram as suas vidas. Não dependem do futebol e estão a trabalhar normalmente”.

FUTURO COMPLICADO

Muitos clubes não profissionais atravessam, neste momento, grandes dificuldades, principalmente os mais pequenos, como é o caso do Atei. “Somos um clube pequeno e estamos dependentes das receitas de bilheteira. Se não há jogos a situação complica-se”, explica José Rodrigues, acrescentando que, pelo menos, “os patrocínios percebem a situação que estamos a atravessar e, até agora, todos se mantêm. Podemos é ter problemas no futuro, com toda esta crise”.

Ainda que a FPF esteja a preparar um pacote financeiro de quase cinco milhões de euros para ajudar os clubes não profissionais, o representante do Atei FC mostra-se algo reticente. “O apoio nunca é suficiente nestas situações, mas seria, claro, uma boa ajuda, ainda que tenha sérias dúvidas de que o dinheiro chegue aos clubes pequenos, como o nosso”, esclarece José Rodrigues.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.