Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

Órgãos Sociais da Misericórdia tomaram posse

Os órgãos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Mesão Frio tomaram posse para o quadriénio 2020-2023

-PUB-

Os órgãos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Mesão Frio, eleitos no dia 15 de dezembro, tomaram posse no Auditório Municipal de Mesão Frio, para o quadriénio 2020-2023, na presença de D. António Augusto Azevedo, bispo da Diocese de Vila Real, e de diversas personalidades convidadas, nomeadamente do deputado da Assembleia da República, Francisco Rocha, de representantes de várias Misericórdias da região e de entidades locais, bem como colaboradores da instituição, entre outros ilustres convidados de destaque concelhio e distrital. 

O presidente da Mesa da Assembleia Geral, Carlos Pombo Silva, empossou a Mesa Administrativa e o Conselho Fiscal, seguindo-se as intervenções do provedor reeleito, Alberto Pereira, que é, também, presidente do município, bem como o bispo da Diocese de Vila Real.

A cerimónia sucedeu ao ato eleitoral, no qual Irmãos e Irmãs da Misericórdia  elegeram a única lista candidata, liderada por Alberto Pereira, e que reuniu mais de 97 por cento dos votos, num universo de 177 votantes.

No seu discurso, o provedor Alberto Pereira, após agradecer a todos os envolvidos, assegurou que o trabalho será de continuidade, desempenhado com rigor, competência e honestidade, valores pelos quais se tem pautado ao longo dos seus mais de 20 anos como provedor desta IPSS.

Na sua intervenção, o bispo elogiou o papel preponderante da Santa Casa da Misericórdia no apoio aos mais desfavorecidos e fez referência aos objetivos principais que regem esta instituição.

A cerimónia, que decorreu no domingo, contou com um momento musical e encerrou com um Porto de Honra.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.