Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Palácio de Mateus “viaja” nos envelopes do Governo Civil

Ligações nas páginas da internet, edição de folhetos e divulgação em feiras, estas são algumas das iniciativas que as várias entidades vila-realenses estão a dinamizar, para apelar ao voto no Palácio de Mateus como uma das “Sete Maravilhas de Portugal”.   O Governo Civil de Vila Real imprimiu um milhar de envelopes com a imagem […]

Ligações nas páginas da internet, edição de folhetos e divulgação em feiras, estas são algumas das iniciativas que as várias entidades vila-realenses estão a dinamizar, para apelar ao voto no Palácio de Mateus como uma das “Sete Maravilhas de Portugal”.

 

O Governo Civil de Vila Real imprimiu um milhar de envelopes com a imagem do Palácio de Mateus e um apelo ao voto naquele monumento vila-realense, no âmbito da iniciativa da escolha das “Sete Maravilhas de Portugal” que deverão ser apresentadas, no próximo dia sete de Julho.

“A ideia é dar a conhecer às pessoas o Palácio de Mateus e, ao mesmo tempo, incentivá-las a visit-lo”, sublinhou António Martinho, Governador Civil de Vila Real, referindo-se aos envelopes que, para além da imagem do monumento vila-realense, revelam o pedido “Vote no Palácio de Mateus”, adiantando, também, o “site” onde está a decorrer o sufrágio (www.7maravilhas.pt).

Segundo Armando Miro, Presidente da Direcção da Região de Turismo da Serra do Marão, também aquela entidade tem feito tudo o que está ao seu alcance, para divulgar o Palácio de Mateus e apelar para que a população o escolha, entre o rol dos 21 monumentos que ainda estão a concurso.

“O tema do nosso stand da Bolsa de Turismo de Lisboa foi o Palácio de Mateus”, sublinhou o mesmo responsável, adiantando que já foi editado um folheto e enviados ofícios, para várias entidades, para que também façam as suas próprias campanhas de apelo ao voto.

Já a autarquia de Vila Real, para além de também ter criado uma ligação ao “site” das Sete Maravilhas de Portugal, na sua página da internet, tem colaborado, “activamente”, com a organização da iniciativa, sendo de realçar que disponibilizará autocarros para a população que queira deslocar-se até ao Palácio de Mateus, no dia 7 de Março, altura em que se vai realizar uma gala, promovida pela organização do concurso.

Depois de uma pré-selecção que já filtrou 21 monumentos nacionais, a Casa de Mateus foi escolhida para fazer parte da lista das possíveis maravilhas arquitectónicas, arqueológicas ou religiosas existentes em Portugal, as quais estão, agora, à mercê da votação dos portugueses.

Construída por António José Botelho Mourão (1688-1746), 3.º Morgado de Mateus, tendo a capela sido terminada pelo seu filho, D. Luís António de Sousa Botelho Mourão (1722-1798), a Casa de Mateus teve, em 1970, um ponto alto na sua história, com a constituição da Fundação da Casa de Mateus que tem por fins estatutários a preservação da casa, o estudo do seu arquivo e a promoção de actividades culturais, científicas e pedagógicas.

Para conhecer o Palácio de Mateus, é necessário pagar um bilhete de quatro euros, para visitar, apenas, o jardim, e de sete euros, caso os visitantes queiram visitar, também, o interior do Solar, sendo de realçar que o local recebe cerca de 60 mil visitantes, por ano.

Os castelos de Almourol, Guimarães, Marvão e Óbidos, o Convento de Cristo, a Basílica de Mafra, a Fortaleza de Sagres, o Mosteiro de Alcobaça, o Palácio Nacional da Pena, o Templo de Diana e as Ruínas de Conímbriga são alguns dos 21 finalistas, “adversários” do Palácio de Mateus, na corrida ao título de uma das Sete Maravilhas de Portugal.

 

Fátima Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.