Domingo, 22 de Maio de 2022

Parceria entre UTAD e empresa tecnológica vai facilitar a gestão de florestas

© Arquivo VTM

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Quidgest, empresa pioneira na área da inteligência artificial, estão a desenvolver digital twins de florestas. O objetivo é facilitar a gestão de florestas, incluindo a deteção de incêndios, aliando o conhecimento académico à experiência empresarial

A tecnologia está em constante mudança e agora vai servir para facilitar a gestão das florestas, graças a uma parceria entre a UTAD e a Quidgest.

A parceria “surgiu de forma muito natural”, começa por dizer João Llorente, da Quidgest, referindo que “detetámos uma oportunidade de negócio no setor da gestão da floresta. Tínhamos a parte da tecnologia, faltava-nos conhecimento detalhado dos temas e é aí que entra a UTAD”.

Do lado da universidade, Hugo Paredes não esconde que a UTAD “tem vindo a procurar passar o seu conhecimento para a indústria, principalmente em áreas em que a universidade é líder, pelo conhecimento que tem vindo a gerar”, daí que “a Quidgest tenha visto na UTAD uma boa parceira”.

“Queremos que o conhecimento saia dos laboratórios e consiga chegar à população em geral”, acrescenta o pró-Reitor para a Transição Digital e Modernização Administrativa, afirmando que “temos de valorizar o nosso conhecimento e fazer parte da valorização das empresas portuguesas. As universidades públicas têm essa obrigação, no fundo, de aproveitar o investimento que é feito nelas e transferi-lo para as empresas, para que possam ser mais competitivas”.

“PREVER O FUTURO”

Com este projeto, “teremos uma espécie de bola de cristal nas mãos”, afirma Hugo Paredes, na medida em que “vamos conseguir trabalhar com base em cenários hipotéticos, que nos dirão o que irá acontecer, que vantagens posso ter daqui a três anos se decidir remover as árvores mais frágeis de um terreno”.

A ideia “é envolver os alunos nesta parceria”, frisa Hugo Paredes, adiantando que o projeto vai contar com a colaboração das áreas da engenharia florestal, dos sistemas de informação, da engenharia informática e da engenharia eletrotécnica e de computadores. E um dia, quem sabe, alguns destes alunos possam fazer parte da Quidgest.

“Uma das grandes dificuldades das empresas de tecnologia é captar quadros de qualidade e com elevado nível de formação”, daí que “uma das ideias é mesmo essa, conseguir que alguns dos alunos possam vir a integrar a Quidgest”, confessa João Llorente.

Sobre o projeto, que visa a criação de digital twins de floresta, João Llorente explica que “o digital forest twin vai recolher dados relativos aos nutrientes, à humidade do solo, à humidade da atmosfera, à intensidade luminosa e à presença de micropartículas (fumos) através de um conjunto de tecnologias que irão recolher imagens terrestres e áreas”.

A solução técnica proposta pela UTAD para a monitorização da floresta com dimensões de milhares de hectares é algo verdadeiramente inovador. “Sem entrar em detalhes, passa pela utilização de uma miniescavadora autónoma, que transporta sensores de dados, e de um drone autónomo, que recolhe imagens aéreas. Esta abordagem permite conhecer e acompanhar o desenvolvimento da floresta com uma definição e eficiência impossível até agora”, explica.

“Estamos numa fase inicial de conceção da tecnologia e da construção da proposta de valor. Do lado da Quidgest, temos o conhecimento de mais de 30 anos na conceção rápida de sistemas de gestão através de modelação e inteligência artificial, bem como da sua comercialização. Do lado da UTAD, temos pessoas muito conhecedoras do hardware que irá captar os dados e conhecedoras do desenvolvimento sustentável da floresta. É, certamente, uma parceria de sucesso” refere João Llorente, que conta ter um produto “minimamente viável em setembro deste ano”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Elsa Nibra
Natural de Castelo do Neiva, Viana do Castelo, é mestre em Ciências da Comunicação pela UTAD. Em 2016 regressou à região transmontana para trabalhar na área do jornalismo e, em outubro de 2019, ingressou na VTM onde, além da escrita, desenvolve trabalhos na área do vídeo.

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.

MAIS LIDAS

-PUB-

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes
-PUB-