Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Perder assim, custa!

O Vila Real perdeu pela margem mínima frente ao líder isolado, o Coimbrões. Quando já se esperava pelo apito final do encontro, no minuto 92, Capela num bom golpe de cabeça faz o único golo da partida. Um golo que a equipa da casa só procurou nos minutos finais, uma vez que, durante grande parte do tempo, o jogo foi equilibrado, com o sinal mais para o Vila Real que dispôs das melhores ocasiões para se adiantar no marcador.

Os transmontanos entraram sem medo e com dois avançados destacados na frente que tinham o apoio do criativo Nuno Meia. Esta estratégia aliada a um meio-campo bem povoado, sem dar espaços ao adversário, poderia ter melhores resultados, mas faltou a eficácia ofensiva que é preponderante para vencer jogos. Logo aos 11’, Pedro desmarca Meia que perante a saída do guarda-redes endossa o esférico por cima do seu corpo, mas valeu a pronta intervenção do defesa de Gaia, a tirar a bola sobre linha de golo. Volvidos 7 minutos, mais uma perdida incrível dos forasteiros. Grande jogada de Pedro que ultrapassa vários adversários e oferece o golo a Castanha que não chegou a tempo para o toque final, com a baliza completamente aberta. O Coimbrões não conseguia explanar o seu futebol, fruto da boa cobertura defensiva apresentada pelos vila-realenses. Com um futebol previsível e sem objectividade, foi mais fácil para os visitantes dominar por completo o líder. Sobre a meia hora de jogo mais uma boa ocasião gorada para os forasteiros. Nuno Meia, num pontapé de bicicleta, atira para boa intervenção de Hélder, a aliviar com uma palmada pela linha de fundo.

O intervalo chegou com o nulo a verificar-se, um resultado com sabor a injustiça para os vila-realenses que não souberam aproveitar nenhuma das três oportunidades claras que dispuseram.

Não satisfeito com a produção da sua formação, o técnico da casa, vai mexer no onze. Para o segundo tempo, deixa nos balneários um defesa e coloca Márcio em campo, que veio dar mais equilíbrio ao meio-campo.

Na 2.ª parte, o jogo foi diferente, onde os visitados acabaram por conseguir equilibrar as operações no centro nevrálgico do terreno. Mas, curiosamente é o Vila Real que vai desperdiçar a primeira ocasião de golo do segundo tempo. Aos 70’, Pedro, aparece isolado frente a Hélder, faz o remate para uma boa intervenção com os pés do guarda-redes da casa. A partir deste lance, o Coimbrões finalmente apareceu no jogo. Aos 81’, há um livre cobrado pelo Fifas e a bola bate com estrondo no poste. Já sobre o minuto 90’, Andrade tem um grande pontapé para a defesa da tarde de Vieira, com uma palmada tira a bola da sua baliza. Era o líder à procura do golo que lhe garantisse os três pontos. Golo que vai surgir já em período de compensação, quando na cobrança de um livre na esquerda, a bola é levantada para o coração da área, onde aparece Capela, entre os centrais, a cabecear para o fundo das redes. Vieira nada poderia fazer perante este cabeceamento fatal do avançado da casa. A vitória acaba por ser um saboroso prémio para o Coimbrões que nunca deixou de acreditar que era possível vencer. Já o Vila Real tem que se culpar a si próprio, porque, mais uma vez, não soube aproveitar as diversas oportunidades que foi criando ao longo do jogo, principalmente no primeiro tempo.

 

Márcia Fernandes

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“Todo o trabalho produzido foi por água abaixo”

O técnico alvi-negro ficou inconformado com a derrota, uma vez que os seus jogadores tudo fizeram para alcançar outro resultado.

“Fomos a melhor equipa, tivemos as melhores oportunidades, mas perdemos. Foi pena perder assim. A equipa empenhou-se, fez um grande esforço e apresentou qualidade, mas é o futebol. Fomos penalizados pela nossa falta de eficácia, pois tivemos situações mais do que suficientes para nos adiantarmos no marcador. Fomos uma equipa muito concentrada, não deixamos o Coimbrões entrar na nossa área e nas transições rápidas, criamos sempre muito perigo. Só tenho que lamentar este resultado negativo que a equipa, pelo trabalho que fez, não mereceu. Com o golo mesmo no fim do encontro, já não houve tempo para reagir e todo o trabalho produzido foi por ‘água abaixo. O resultado correcto seria a nossa vitória, mas pelo menos, o empate seria mais que justo pelo que fizemos ao longo dos 90 minutos”.

Para o próximo jogo, o Vila Real vai receber o Vila Meã e Luís Pimentel espera as mesmas dificuldades que tem encontrado em quase todas as equipas. “Vai ser mais um jogo complicado, mas vamos levantar a cabeça e apostar neste tipo de jogo com qualidade e atitude. Teremos que ser mais eficazes na hora da finalização”.

 

 

António Remelgado, treinador do Coimbrões

“Estamos a divertir-nos bastante”

O técnico vencedor estava muito satisfeito com a vitória da sua equipa, que vê assim, a sua posição de líder consolidada.

“Acreditei sempre na vitória. Já empatei e perdi jogos nos minutos finais. É evidente que a jogar em casa e com o caudal ofensivo apresentado nos últimos 20 minutos, sempre acreditei que o golo poderia aparecer. Foi um jogo bem disputado, interessante, em que o Vila Real nos criou muitas dificuldades, principalmente na 1.ª parte. A minha equipa entrou muito ansiosa, o primeiro lugar pesa nestes jovens jogadores, mas sabia que a jogar a este ritmo iríamos conseguir ir para cima do adversário e isso ficou bem patente na nossa postura nos minutos finais do encontro, que apresentamos maior frescura física. O jogo passou a ter um único sentido e as melhores ocasiões foram as do Coimbrões.

Vamos tentar manter o primeiro lugar, se nos deixaram, como é óbvio. O nosso objectivo passa por ficar nos seis primeiros lugares. A nossa filosofia de jogo é divertirmo-nos um pouco com isto e estamos a divertir-nos bastante”.

 

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Jogo disputado no Parque Silva Marques, em Coimbrões.

Árbitro: Renato Mendes

Auxiliares: Luís Cunha e Miguel Silva

COIMBRÕES – Hélder, Hugo (Márcio, 45’), Igor, João, Fifas, Andrade, Paulo Lima, Fábio Martins (Nuno, 60’), Pedro Tavares, Capela, Pedro Gabriel (André, 75’).

Suplentes não utilizados: Rui Alves, Pedro Simão, Carlos Sousa, Marco.

Treinador: António Remelgado

VILA REAL – Vieira, Bessa, Ernesto, Nuno Fredy, Peixoto, Norberto, Pedro (Fred, 90’), Leirós (Luís Carlos, 70’), Moura, Nuno Meia, Castanha.

Suplentes não utilizados: Gamito, Caniggia, Zé Monteiro, Miguel.

Treinador: Luís Pimentel

Cartões Amarelos: Andrade (14’), Hugo (40’), Pedro Tavares (43’), Igor (52’), Paulo Lima (55’), Bessa (80’), João (94’).

Ao intervalo: 0 – 0

Marcador – Capela (92’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.