Quarta-feira, 16 de Junho de 2021

Presidente da câmara de Miranda do Douro acusado de beneficiar empresário

Ministério Público (MP) acusou o atual presidente da câmara de Miranda do Douro (PS) e um chefe de divisão de obras municipais de beneficiar empresário em negócio, revelou hoje Procuraria Geral Distrital (PGD) do Porto.

-PUB-

O MP acusou os dois arguidos, imputando a um deles a prática de um crime "de prevaricação em concurso com um crime de participação económica em negócio e a outro a prática de um crime de participação económica em negócio em concurso com um crime de abuso de poder".

Segundo a PGD do Porto, os arguidos são o presidente da Câmara de Miranda do Douro, Artur Nunes, e um chefe de divisão de obras municipais da mesma autarquia, "reportando-se os factos ao seu exercício funcional".

O MP explicou que em 2010, "o chefe de divisão, com o conhecimento e consentimento do presidente da câmara, abordou um comerciante / empresário com que tinha relações de proximidade pessoal, dizendo-lhe, ainda antes de qualquer procedimento de contratação, que ficaria com a venda e instalação de ar condicionado no rés – do – chão do edifício da Câmara Municipal, pelo preço que apresentasse".

Na nota da PGD, o MP referiu que o comerciante tratou logo de encomendar o material elétrico e de ar condicionado necessário à obra, o que realizou em novembro de 2010 e Janeiro de 2011.

Segundo descreve ainda a acusação, só posteriormente, em fevereiro de 2011, o chefe de divisão propôs a abertura de procedimento pré-contratual de ajuste direto propondo como entidade a contratar o dito comerciante e indicando o valor de 42 mil euros.

Mais pormenoriza que o comerciante apresentara um orçamento, em que a obra foi efetivamente adjudicada pelo valor de 41.991 euros a que acrescia a taxa de IVA, e por ele executada, proporcionando-lhe margens de lucro entre 85% e 983% no material que forneceu para instalação no edifício da câmara municipal".

O presidente da Câmara de Miranda do Douro, contado pela agência Lusa disse que as acusações que lhe são imputadas "não têm fundamento".

"Esta acusação é descabida e sem fundamento", justificou Artur Nunes.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.