Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Problemática dos incêndios florestais em uníssono, nas rádios da região

O Governo Civil lançou o desafio, a UTAD vai produzir e sete rádios da região vão difundir a mensagem. A sensibilização e consciencialização para o combate aos incêndios florestais dão o mote para um conjunto de programas radiofónicos que “entrarão no ar” já no próximo fim-de- -semana. Sete rádios do distrito e a Universidade de […]

O Governo Civil lançou o desafio, a UTAD vai produzir e sete rádios da região vão difundir a mensagem. A sensibilização e consciencialização para o combate aos incêndios florestais dão o mote para um conjunto de programas radiofónicos que “entrarão no ar” já no próximo fim-de- -semana.

Sete rádios do distrito e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) assinaram, no dia 21, um protocolo com o Governo Civil de Vila Real, para a emissão de um conjunto de 10 programas radiofónicos que têm como objectivo a “consciencialização, individual e colectiva, sobre a problemática dos incêndios florestais”.

Será da responsabilidade do Governo Civil arcar com as despesas do projecto que engloba um montante de quase 4.500 euros para “os serviços prestados pela UTAD” e 500 euros, “acrescidos das taxas de quatro por cento, respeitante a custos de difusão, e de 21 por cento, relativa ao IVA”, para a cada uma das rádios envolvidas.

Segundo António Martinho, Governador Civil de Vila Real, “as actividades a desenvolver consistirão na difusão pelas rádios locais aderentes de um conjunto de dez programas, duas vezes por semana, bem como sessões em zonas do distrito onde se verificaram mais ocorrências, no ano de 2006, em estreita colaboração com as Câmaras, Juntas de Freguesia, Comissões Municipais de Combate a Incêndios Florestais e Associações de Produtores, ou outras”.

“Sensibilizar a população em geral e produtores florestais para a temática dos incêndios”, “informar os cidadãos sobre as regras e legislação vigente”, “prevenir sobre o uso de queimadas ou fogueiras”, “falar sobre o sistema de combate” e “como organizar a propriedade e associar os proprietários”, são algumas das temáticas que serão abordadas nos programas de rádio e nas sessões de sensibilização que serão levadas a cabo e que, como sublinhou António Martinho, têm a clara finalidade de “divulgar as tarefas de cada um na prevenção e no combate aos incêndios florestais”.

Armando Mascarenhas Ferreira, Reitor da Universidade transmontana, lembrou que, com este protocolo, a UTAD está a cumprir o seu “papel”, colocando “as suas capacidades técnicas e científicas à disposição da comunidade”.

Apesar de reiterar críticas sobre as políticas do Governo para a comunicação social regional, com os sucessivos cortes de orçamento e regalias, Luís Mendonça sublinhou a importância das rádios e jornais locais em iniciativas como esta, de sensibilização e formação das populações.

A parceria criada pelo Governo Civil de Vila Real envolve as rádios Universidade, Voz do Marão, Larouco, Santa Marta, Montalegre, Fórum de Boticas e a Rádio Clube Aguiarense.

Carlos Silva, Comandante Distrital da Autoridade Nacional de Protecção Civil, contabilizou, ao Nosso Jornal, que, desde o início de Janeiro, até ao último dia 20, foram registados, no distrito de Vila Real, 104 incêndios que resultaram num total de mais de 93 hectares de área ardida, números superiores a igual período do ano passado, altura em que os bombeiros foram chamados a combater 74 fogos florestais que consumiram cerca de 60 hectares.

O clima e as práticas agrícolas e pecuárias são, segundo o Comandante, as principais responsáveis para o número de incêndios que têm ocorrido, nos últimos dias.

“Neste tipo de actividades, é preciso ter o máximo de cuidado, para que não se verifique o descontrolo do fogo”, sublinhou Carlos Silva, lembrando que práticas como a renovação dos pastos que envolvem a realização de queimadas devem ser feitas segundo autorização das autarquias e com o devido acompanhamento técnico.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.