Terça-feira, 30 de Novembro de 2021

Produtores de bola doce mirandesa com novas formas de venda

A bola doce mirandesa continua a ser o ex-libris da doçaria das Terras de Miranda, em tempo Páscoa, e, devido à pandemia provocada pelo coronavírus, os produtores tiveram de se adaptar a uma nova realidade comercial.

-PUB-

"Temos clientes no Porto, Lisboa e Algarve que nos fazem encomendas via redes sociais e que depois são envidas para o destino, através de várias redes de distribuição, para que os apreciadores possam degustar este doce de características únicas", indicou à Lusa a produtora Paula Domingues.

Por esta altura do ano, a bola doce é presença obrigatória à mesa dos apreciadores do Planalto Mirandês, no distrito de Bragança, devido ao seu sabor único e textura diferenciada, o que lhe permitiu ganhar visibilidade fora do seu território de origem.

"Com este tempo de pandemia de covid-19, e como tudo foi muito rápido, tivemos que nos adaptar, e, como nada volta ser com era antes, estamos a pensar criar uma loja 'online' para, de futuro, poder escoar o produto. Temos de ser pacientes e vamos ultrapassar esta fase má", indicou a produtora

Apesar de nas aldeias do Planalto Mirandês pairar o cheiro emanado pelos fornos tradicionais, a produção este ano é inferior devido ao cancelamento de alguns certames neste território que promoviam e vendiam este doce ou o tradicional folar de carne.

Porém, cada família faz a bola doce à sua maneira, para que se ajude a matar saudades "de tempos melhores".

A empresária alerta, contudo, que "o fabrico bola doce mirandesa tem os seus segredos, sendo preciso prática para deixar este doce no ponto".

A bola doce mirandesa de raiz conventual deixou de ser um fenómeno sazonal e assumiu o papel de produto regional que já é vendido durante todo o ano em Lisboa, no Porto e outros pontos do país, devido à qualidade que é imposta pelos produtores locais, e o consumo deixou de ser apenas familiar.

Paula Domingues, que produz aquela iguaria de forma mais industrial no concelho de Miranda do Douro, conta que é fabricada ao longo de todo o ano em forno a lenha, mas teve de haver alterações no processo de fabrico devido à procura do doce, principalmente, no período da Páscoa.

A bola doce é feita com canela e açúcar às camadas, sendo amassada à mão e cozida em forno tradicional a lenha.

Atualmente, a bola doce é confecionada ao gosto do cliente, "com mais ou menos açúcar", enfatiza a empresária, para quem aquele folar se deve comer acompanhada de bons vinhos.

Alguns produtores mais tradicionais defendem que para bola doce ser genuína, fina e mais saborosa deve ser confecionada com farinha de trigo serôdio. Já os apreciadores garantem que trata-se de um bolo muito doce, "mas envolvente", sobressaindo o sabor "intenso" da canela.

Contrariamente à maioria dos folares de Páscoa, a bola mirandesa "é um doce húmido e intenso". A massa, igual à do pão, mas mais fina, é intercalada com camadas de açúcar e canela e o recheio também é feito em camadas.

O seu aspeto" tosco" esconde uma massa "fofa e húmida", graças ao recheio de açúcar e canela que desperta ao olhar dos apreciadores.

Ana Esteves, da Associação de Produtores Gastronómicos do Planalto Mirandês disse que os produtores continuam a vender e que através do trabalho realizado nos últimos anos a bola doce ficou mais conhecido e já ganhou o seu lugar na doçaria tradicional portuguesa.

O historiador António Rodrigues Mourinho, fez um levantamento histórico deste produto e concluiu que se trata de uma peça de pastelaria com origem, pelo menos, em tempos dos descobrimentos portugueses.

"Há registos pelo menos desde 1510 que indicam [esta como] a data mais provável da introdução da bola doce nas mesas dos habitantes do Planalto Mirandês. A tradição foi herdada dos conventos ou de famílias do clero e de gente rica. O povo foi modificando a bola à maneira regional, dando-lhe uma forma e sabor próprio que a distingue da doçaria de outras regiões", afiAnçou o investigador.

Atualmente há cerca de uma dúzia de unidades que fabricam durante todo ano a bola doce mirandesa e que mantêm "fé no futuro" já que acreditam que "este pesadelo vais ter de passar".

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.