Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Quatro dezenas de bombeiros vila-realenses receberam diploma

A aposta na formação levou ao planeamento de uma série de cursos dirigidos aos bombeiros do distrito, o primeiro dos quais de formação de graduados que envolveu 40 homens, de dez corporações. Além de outras acções, de vários níveis, também a certificação de competências para atribuição da escolaridade mínima obrigatória começa a ser tida em […]

A aposta na formação levou ao planeamento de uma série de cursos dirigidos aos bombeiros do distrito, o primeiro dos quais de formação de graduados que envolveu 40 homens, de dez corporações. Além de outras acções, de vários níveis, também a certificação de competências para atribuição da escolaridade mínima obrigatória começa a ser tida em conta, pelas corporações vila-realenses.

 

No dia 27 de Janeiro, 40 homens de várias corporações de Vila Real terminaram o curso de formação de graduados que, levado a cabo pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) no distrito, com o apoio do Governo Civil e da Federação Distrital de Bombeiros, teve, no dia 10, o seu ponto final, com a entrega dos diplomas.

“Quando começámos a trabalhar, no distrito, visitámos todos os corpos de bombeiros e constatámos que uma das principais lacunas é o baixo nível de actividade formativa”, sublinhou Carlos Silva, responsável pela ANPC, em Vila Real.

Tendo em conta este diagnóstico, aquele organismo agendou um conjunto de acções de formação que teve início, exactamente, com a chamada “Escola Distrital de Formação de Graduados” que formou, durante três meses, num total de 50 horas, 40 bombeiros que poderão, agora, fazer os exames, para ascender aos escalões de Subchefe e Chefe.

Agendado está já, também, o curso para aspirantes que deverá começar em Maio, sendo de realçar que está em fase de planeamento a “Escola Distrital de Formação de Chefes de Equipas de Combate a Incêndios” e, em colaboração com a Direcção Geral de Recursos Florestais, a “Escola Distrital de Formação em Contra-fogo”.

Segundo Carlos Silva, o curso que agora terminou e que contou com bombeiros de dez concelhos, irá repetir-se, dentro de três anos, e, no caso da formação para aspirantes, a iniciativa deverá ter uma periodicidade bienal.

“Queremos habilitar os bombeiros com um conjunto de conhecimentos indispensáveis ao desempenho das suas funções, nos quadros activos das suas corporações, bem como prepará-los para as promoções que, há muito, estão estagnadas”, referiu Carlos Silva, sublinhando, ainda, a “entrega, dedicação e motivação dos elementos que participaram no primeiro curso”.

Também o Governador Civil de Vila Real, António Martinho, salientou a importância da iniciativa, lembrando que a actualização de conhecimentos é um dever, mas, também, um direito dos Bombeiros e incentivando para que a formação vá para além das Escolas Distritais de Bombeiros até às Escolas Secundárias e aos Centros de Formação, para que, também, os elementos das corporações que não tenham a escolaridade mínima obrigatória possam ver reconhecidas e certificadas as suas competências, adquiridas ao longo da vida.

Alfredo Almeida, Presidente da Federação Distrital de Vila Real, utilizou como exemplo a corporação que dirige, como Comandante, no concelho de Peso da Régua, onde 20 bombeiros estão já a adquirir esse grau de escolaridade, num projecto em colaboração com a Escola Secundária do Rodo.

Alfredo Almeida aproveitou a presença de muitos comandantes do distrito para apelar à participação dos bombeiros num colóquio que irá decorrer, no próximo dia 17, no Quartel da Cruz Verde, em Vila Real, onde Fernando Vilaça, do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, abordará a revisão dos Estatutos e regime jurídico das associações e corpos de bombeiros.

António Martinho referiu, de igual modo, a assinatura de dois protocolos, no dia 9, no âmbito do programa de postos de vigia (que prevê uma nova distribuição dos mesmos e novos equipamentos, como a vigilância electrónica) e outro, no que diz respeito à realização de acções concertadas de sensibilização à população, em geral, para defesa da floresta.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.