Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2021

Rebordosa 2 | Vila Real 2

O Vila Real esteve perto de conquistar a primeira vitória nesta segunda fase do campeonato, mas uma grande penalidade no último minuto do tempo de compensação tirou a possibilidade aos transmontanos de trazer os três pontos de Rebordosa, num jogo em que acabaram com nove elementos em campo.

-PUB-

Num jogo com duas partes distintas, os locais entraram mais fortes e acutilantes no terreno de jogo, criando bastantes dificuldades aos forasteiros. Aos 14’, Beja trava um avançado da casa dentro da área e o árbitro deu ordem de expulsão ao defesa alvinegro, ao mostrar-lhe o cartão vermelho direto. Na conversão da grande penalidade, Bessa inaugurou o marcador, apesar de Marcelo ainda ter adivinhado o lado em que a bola entrou. Pouco tempo depois, novamente Bessa na cara de Marcelo, mas desta vez o guarda-redes levou a melhor, ao defender o remate com os pés. Aos 22’, nova grande penalidade assinalada, desta vez por um empurrão na área sobre um jogador vila- -realense, na sequência de um pontapé de canto. Chamado à conversão, Schuster não deu qualquer hipótese a Rúben, restabelecendo a igualdade. Guarda-redes para um lado e a bola para outro. Excelente execução de Schuster, que fez uma grande exibição neste jogo. Ainda antes do descanso, o Rebordosa poderia ter marcado, no entanto, o remate de Vítor Hugo esbarrou na muralha defensiva alvinegra.

Para a segunda parte, o técnico Abel Ferreira fez os ajustes necessários à equipa, deixou o apagado João nos balneários e lançou no jogo o jovem Tiago. Estas alterações vieram a ser preponderantes para a exibição de grande nível que os vila-realenses fizeram nos segundos 45 minutos. Tal como na primeira metade, o Rebordosa voltou a entrar melhor, já que, aos 48’, Bessa faz um chapéu a Marcelo, valeu a rápida intervenção de Fred, a tirar sobre a linha de golo. A partir deste lance, o Vila Real, com uma boa organização, conseguia defender bem, longe da sua área, e lançar perigosos contra-ataques. A estratégia foi bem delineada, já que por duas vezes os transmontanos estiveram muito perto de marcar. Primeiro, Rui aparece em boa posição, mas o remate foi desviado por Jorginho. Depois, foi a vez de Azevedo ganhar em velocidade, mas falhou na cara de Rúben. Até que, aos 79’, numa excelente abertura do jovem Tiago, Schuster entra na área e remata cruzado para o fundo da baliza. Estava feita a reviravolta no marcador, com o médio criativo a bisar na partida. Até ao final, os visitantes ainda uniram mais as suas linhas e já quando estavam com menos dois elementos em campo, o Rebordosa vai chegar ao empate, através de uma grande penalidade no último minuto do tempo de compensação, que nos deixou muitas dúvidas, já que não conseguimos ver nenhuma falta no meio de um aglomerado de jogadores, na sequência de um pontapé de canto. Mas, a decisão do árbitro é soberana e nem os protestos dos vila-realenses o demoveram de apontar para a marca de 9 metros. Chamado à conversão, Bessa também bisou na partida e assim se repartiram os pontos.

O empate acaba por ser um pouco penalizador para os vila-realenses, que estiveram muito unidos e mereciam trazer a vitória de Rebordosa, num jogo em que acabaram com menos duas unidades em campo. Para os locais caiu um ponto do céu, com um penálti que o árbitro inventou.

No próximo domingo, o Vila Real recebe a visita do Aliados de Lordelo, que comanda esta segunda fase da prova.

 

As reações dos treinadores

 

Abel Ferreira, treinador do Vila Real

“A grande penalidade até dá para rir”

O técnico vila-realense referiu a excelente atitude da sua equipa que não merecia ser castigada com uma grande penalidade no último minuto que nem sequer existiu. “Apesar das contrariedades do jogo, a equipa veio aqui tentar ganhar. Logo nos primeiros 15 minutos, sofremos um golo de grande penalidade e ficamos com menos um jogador. Mesmo assim, veio ao de cima a vontade e a maior experiência da nossa equipa, que conseguiu controlar o jogo e chegar ao empate. Na segunda parte, retificamos algumas coisas que não estavam bem e a nossa estratégia quase resultava em pleno. Mostramos coesão defensiva e exploramos o contra- -ataque, em que criamos várias situações para marcar. Ainda fizemos o segundo golo, num bom lance de ataque, mas infelizmente no último lance da partida o árbitro assinalou novamente uma grande penalidade a favor do Rebordosa, que aproveitou para fazer o empate. Ao longo do jogo, sentimos dificuldades para fazer alterações, já que no banco só tínhamos miúdos que jogam no ataque e por isso optamos por não fazer muitas alterações. Quero salientar que fizemos um excelente jogo e fomos penalizados ao minuto 93 através de uma grande penalidade que até dá para rir. Ainda faltam cinco jogos e tudo vamos fazer para alcançar os nossos objetivos”.

 

António Monteiro, treinador do Rebordosa

“O resultado espelha aquilo que se passou em campo”

O treinador vencedor referiu que a sua equipa mostrou alguma ansiedade, mas que o empate acaba por se ajustar ao que se passou em campo.

“Acho que a minha equipa entrou bem no jogo e cedo chegamos ao golo, através de um penálti que não deixou dúvidas a ninguém. Pouco depois, o árbitro marcou um novo penálti, que só ele viu, já que ninguém fez falta nenhuma. Acho que fizemos uma boa primeira parte e merecíamos ir para o intervalo em vantagem. Na segunda parte, fomos à procura da vitória, mas encontramos uma equipa muito fechada que nos dificultou ao máximo a nossa tarefa. Perdemos um pouco o fulgor inicial e a ansiedade tomou conta da equipa. O Vila Real chegou à vantagem, mas nós não desistimos de procurar a baliza contrária, e alcançamos o empate no último minuto, numa altura em que jogamos mais com o coração do que com a cabeça. Acho que o resultado espelha aquilo que se passou em campo”.

 

Ficha Técnica

 

Jogo disputado no Estádio Monte Azevido, em Rebordosa.

Árbitro: José Filipe Araújo (A.F. Braga).

Auxiliares: José Alvim e José Ribeiro.

REBORDOSA – Rúben, Bruninho, Pinto, Barros, Carlos, Jorginho, Mota (Ismael, 60’), Xau (André Moreira, 68’), Bessa, Edu e Vítor Hugo.

Suplentes não utilizados: Cláudio, Dias, Jerónimo, Hélder e Alex.

Treinador: António Monteiro.

VILA REAL – Marcelo, Beja, Fred Coelho, João Mário, Luís Carlos, Castanha, Rui, Schuster, André Azevedo (Bruno, 80’), Diogo e João (Tiago, 45’).

Suplentes não utilizados: Ousmane, Fontinha, Miguel, Topinha e Carreira.

Treinador: Abel Ferreira.

Ao intervalo: 1 – 1

Cartões amarelos: Carlos (22’), Xau (33’), Barros (41’), Castanha (66’), Marcelo (85’), Tiago (74’ e 83’), Bruno (92’).

Cartões Vermelhos: Beja (14’, dir.), Tiago (83’, ac.).

Marcadores: Bessa (14’, g.p. e 93’, g.p.), Schuster (22’, g.p. e 79’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.