Terça-feira, 6 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Recolha de sangue, para encontrar dador de medula

Uma pequena quantidade de sangue pode fazer a diferença, na vida de Fábio André, um vila-realense, de 11 anos, que procura um dador compatível, para o transplante de medula óssea, um procedimento que pode representar a cura para a doença que, desde Outubro de 2006, mudou a vida da família Ferreira.   “Trata-se de uma […]

PUB

Uma pequena quantidade de sangue pode fazer a diferença, na vida de Fábio André, um vila-realense, de 11 anos, que procura um dador compatível, para o transplante de medula óssea, um procedimento que pode representar a cura para a doença que, desde Outubro de 2006, mudou a vida da família Ferreira.

 

“Trata-se de uma simples recolha de sangue. É como fazer uma análise”, sublinhou Cristina Ferreira, mãe de Fábio André, sobre a iniciativa que, a desenvolver depois de amanhã, na sede dos Bombeiros Voluntários da Cruz Branca, em Vila Real, tem como objectivo encontrar um dador compatível de medula óssea, para o jovem vila-realense.

Entre as 9 e as 17 horas, uma equipa do Centro de Histocompatibilidade do Norte deslocar-se-á ao quartel dos Bombeiros da Cruz Branca, para efectuar uma recolha que poderá ditar a diferença, na vida de Fábio André Ferreira, o rapaz, de 11 anos, que luta contra uma leucemia, “uma doença maligna, com origem nas células imaturas da medula óssea”.

A doença de Fábio André foi descoberta, em Outubro do ano passado, depois de uma operação às amígdalas. Depois de mais três tratamentos, para “atacar as células doentes”, o jovem vila-realense vai precisar de um transplante de medula. No entanto, Cristina Ferreira diz estar de “mãos e pés atados”, porque não tem família próxima, o que dificulta a procura de um dador.

“Tenho muito medo de não encontrar uma medula compatível com a do Fábio”, confessou a mãe, apelando à participação de todos, nesta “procura pela vida”.

Ter idade compreendida entre 18 e 45 anos e boa saúde são os requisitos iniciais para ser dador voluntário de medula óssea. Depois da doação de sangue, os dados serão guardados, numa base informática, e, segundo o Centro Nacional de Dadores de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE), “serão usados sempre que um doente nacional ou internacional seja proposto, para transplantação de medula óssea”.

A medula óssea é um tecido de consistência mole que preenche o interior dos ossos longos e as cavidades esponjosas de ossos. É nesse tecido que existem células progenitoras, ou seja, com capacidade para se diferenciar e darem origem a qualquer célula do sangue periférico. São as chamadas células estaminais.

 

Maria Meireles

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.