Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Refúgios de natureza únicos para explorar em Terras de Aguiar

Fomos conhecer a “rotina” de dois amigos que estão alojados no albergue de Nossa Senhora da Assunção, em Vreia de Jales, no concelho de Vila Pouca de Aguiar

-PUB-

Para poder usufruir de uma estadia inesquecível, no coração de uma aldeia típica de Trás-os-Montes e conviver com as suas gentes, redescobrir os seus modos de vida, a sua gastronomia típica, os produtos agrícolas naturais, os passeios na natureza e o ar puro, nada melhor do que explorar a Rede de Albergues de Natureza de Vila Pouca de Aguiar, que nasceu da recuperação de cinco antigas escolas que foram requalificadas e equipadas com todo o conforto para receber amantes da natureza e do mundo rural. Foi isso mesmo que fizeram dois amigos, Jóni Vieira, que veio do Marco de Canavezes, e Luís Jordão, que é natural de Montemor-o-Novo. Como são profissionais ligados à animação turística vieram até Vreia de Jales, concelho de Vila Pouca de Aguiar, explorar as potencialidades desta região, sendo que mais tarde pretendem trazer grupos para fazer percursos pedestres, passeios de BTT e outras iniciativas que poderão vir a ser dinamizadas.

Esta não é a primeira vez que estão no concelho aguiarense, Luís Jordão já trouxe a família e esteve hospedado no albergue de Monteiros, onde recorda os bons momentos passados na tranquilidade da aldeia, a hospitalidade das pessoas, os produtos que lhe ofereceram, o convívio com as gentes desta terra e esta nova experiência está a correr também da melhor forma, como refere à nossa reportagem. “É um espaço espetacular para vir passar férias. Ainda há dias falava com colegas de trabalho do Porto, que me diziam que estes albergues ficam muito perto, a cerca de uma hora de viagem do litoral, e estão aqui disponíveis para aproveitar e desfrutar. Têm muitas potencialidades para o turismo de natureza”.

Este turista, que também veio descobrir novos lugares, vai mais longe e destaca que o ideal seria mesmo haver um “pacote interligado” entre os cinco albergues, de forma a criar uma verdadeira rede municipal. “Com este tipo de infraestrutura invulgar era bom existir uma ligação entre todos os albergues. Poderia funcionar de uma forma simples, por exemplo, uma família vem passar dois dias num albergue, convive com as pessoas da localidade, vai ao café, visita os locais de interesse e depois segue para outro ponto, de carro ou bicicleta, neste caso para outro albergue e lá faz o mesmo, repetindo a ‘rotina’ nos cinco albergues. Acho que a autarquia ainda pode explorar esta vertente”, frisou, adiantando que este é um modelo turístico “acolhedor e simpático”. “As pessoas chegam aqui e têm a D. Céu à espera para os receber, que lhe dá informação sobre onde podem adquirir várias coisas, como produtos alimentares, onde é o café, restaurante e todo o tipo de informação que precisam”.

As infraestuturas estão todas construídas e o acolhimento é único, por isso Jóni Vieira está a gostar muito da experiência, num dia que começa bem cedo, com a exploração dos mais belos locais da natureza. “Hoje (quinta-feira) vamos fazer um trilho, apreciar a natureza, ver a barragem, comer qualquer coisa no café, falamos com as pessoas da terra, ao fim do dia regressamos novamente ao nosso alojamento, para tomar banho, e depois podemos ir jantar no restaurante aqui da aldeia. Tudo isto tem uma qualidade excelente”.

Como tem interesse no BTT, Jóni tem já uma ideia para colocar em prática em breve. “Tendo em conta a distância que os albergues têm uns dos outros, acho que será muito interessante uma pessoa fazer um percurso de BTT e conhecer toda esta região, porque a bicicleta permite-nos chegar a lugares mais remotos e ver facilmente mais coisas. Fazer esta vertente num circuito fechado de poder percorrer vários sítios, conhecer estas terras e estas pessoas será uma experiência que vou repetir com um grupo mais alargado de amigos”, sublinha o jovem.

Este albergue em Vreia de Jales possui três quartos e capacidade para seis pessoas. Nas imediações, é possível usufruir da barragem e parque de lazer de Pinhão-cel, já na fronteira com o concelho de Sabrosa, visitar a Ponte Romana do Arco, na aldeia da Barrela, ou ainda conhecer o impressionante conjunto de canastros de Cerdeira de Jales, local onde se inicia o Trilho da Vreia, percurso pedestre sinalizado.

A rede aguiarense é composta pelo Albergue de S. António (Afonsim), Albergue de S. Lourenço (Monteiros), Albergue de Santiago (Parada de Aguiar), Albergue de S. Pedro (Ribeirinha) e Albergue de Nossa Senhora da Assunção (Vreia de Jales). A ocupação destes albergues tem um caráter gratuito, podendo contudo o visitante contribuir para a manutenção do espaço, deixando um donativo no local destinado para esse fim, que será utilizado para despesas correntes e respetiva conservação.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.