Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Reviravolta fantástica

Num jogo frenético, o Vila Real consegue uma vitória fantástica frente ao Leça, uma equipa que luta pelos lugares cimeiros da tabela classificativa. Mas, não foi fácil a tarefa dos comandados de Luís Pimentel, como possa transparecer o resultado volumoso no final dos 90 minutos.

Os leceiros entraram com grande velocidade no encontro e aos 8 minutos já venciam por duas bolas sem resposta. O primeiro golo surge numa perda de bola de Ernesto que é aproveitada por Weslem para colocar na área, onde aparece André, livre de marcação, a rematar para o fundo da baliza. Volvidos 3 minutos, numa jogada muito semelhante onde os protagonistas são os mesmos, Weslem e André, com este último a fazer o seu segundo golo na partida. Uma entrada fulgurante dos forasteiros que, nas duas vezes que chegaram à baliza de Vieira, concretizaram as oportunidades criadas.

Os vila-realenses ficaram atónicos com o que se estava a passar em campo, mas não perderam a compostura e vieram à procura de minimizar o prejuízo. Criaram duas boas ocasiões para marcar, mas não tiverem a eficácia dos leceiros. Aos 22’, o Leça vai ficar reduzido a dez elementos com a expulsão de Madalena, que viu o segundo cartão amarelo. O jogo começou por ter um único sentido: a baliza de Cerqueira.

O técnico Luís Pimentel vai arriscar tudo para dar a volta ao resultado. Prescinde do central Nuno Fredy e coloca mais um jogador rápido no terreno, Luís Carlos. O Vila Real começou a cercar a área do Leça e aos 43’, surge o primeiro golo de Zé Monteiro. Depois de um livre cobrado por Pedro, Cerqueira não segura e o capitão aproveita o ressalto para reduzir a desvantagem. A resposta não tardou e André falhou por centímetros o hat-trick. Já sobre o minuto 45, Castanha num remate seco e de fora da área coloca a bola fora do alcance de Cerqueira e restabelece a igualdade.

Na segunda parte, o Leça optou por segurar o empate e limitou-se a defender. O Vila Real necessitava de vencer e entrou com muita determinação, o que lhe permitiu fazer a reviravolta no marcador. Aos 67’, Pedro é derrubado na grande área pelo guarda-redes Cerqueira e o árbitro, de pronto, assinalou a marca de grande penalidade. Chamado à conversão Nuno Meia não falhou e colocou o Vila Real pela primeira vez em vantagem. Os alvi-negros continuaram à procura de mais golos, continuando a impor um ritmo elevado no jogo que os leceiros já não acompanhavam, devido ao desgaste físico que já se notava nos homens vindos do Porto. Foi com naturalidade que vai aparecer o quarto golo. Na sequência da marcação de um pontapé de canto, Nuno Meia coloca no interior da área, onde surge Zé Monteiro com um excelente golpe de cabeça a ampliar a vantagem. Aos 80’, Pedro corria isolado para a baliza e foi travado em falta dentro da área. Mais uma grande penalidade indiscutível a favor dos vila-realenses que Moura não desperdiçou. Vantagem ampla dos homens da casa que regressam às vitórias, num jogo que começou por ser um autêntico pesadelo, mas que acabou por ser uma tarde de fantástica dos alvi-negros.

Depois de uma entrada desconcentrada no jogo, o Vila Real impôs velocidade e atitude num bom jogo colectivo que lhe permitiu conquistar a vitória, que poderá trazer maior consistência para enfrentar os próximos desafios que não se avizinham nada fáceis.

 

 

COMENTÁRIOS

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“A equipa deu uma resposta fantástica”

 

Luís Pimentel sublinhou a excelente recuperação da equipa, que aliou uma boa exibição a um excelente resultado, num trabalho colectivo que é de salutar.

“Fomos uma equipa que acreditou sempre. Não entramos bem, cometemos alguns erros no meio-campo que nos custaram dois golos. Felizmente fizemos uma alteração que deu resultado, onde tivemos que arriscar mais para procurar inverter o resultado. Era importante marcar ainda na primeira parte, e isso aconteceu por duas vezes que nos permitiu chegar ao empate. Na segunda metade, colocamos muita dinâmica e qualidade no jogo e isso desgastou a equipa do Leça. Tivemos muita amplitude e profundidade no ataque, onde Pedro e Moura fizeram um grande trabalho que acabou por dar os seus frutos. Acima de tudo, há a realçar o grande jogo e a exibição de toda a equipa. O futebol é mesmo assim, quando tudo parecia ruir, a equipa deu uma resposta fantástica. Hoje, somamos uma boa exibição com um bom resultado, mas o mais importante foi a conquista dos três pontos.

No próximo jogo, dia 28, o Vila Real vai até Gaia defrontar o líder Coimbrões. O técnico alvi-negro sabe que vencer é uma tarefa muito difícil, mas promete muita luta pela conquista de um resultado positivo. “O Coimbrões é muito forte a jogar em casa, onde ainda não sofreu qualquer derrota. É um terreno sintético que conheço e sei que é difícil jogar lá. Mas, esta equipa já mostrou que tem capacidade para ganhar a qualquer adversário”.

 

 

Pedro Mesquita, treinador do Leça

“A expulsão foi determinante”

 

Pedro Mesquita estava conformado com a pesada derrota da sua equipa, mas sublinhou que o lance da expulsão é preponderante no desenrolar do encontro.

“Entrámos muito bem no jogo. Até ao lance da expulsão éramos a melhor equipa em campo, tínhamos o jogo controlado e dispusemos de algumas ocasiões para marcar mais golos. Depois do Vila Real ter reduzido, criou-nos mais dificuldades e vão conseguir empatar ainda antes do intervalo. Na segunda parte, perdemos a noção do jogo e sofremos mais três golos que ditaram a nossa derrota”.

O Leça tem vindo a perder fulgor no campeonato, mas o técnico está atento e irá reflectir o futuro com os jogadores e dirigentes do clube. “Temos que fazer uma reflexão interna. Há massa crítica com jogadores de elevada capacidade e carácter. Estou convencido que com a união de todos vamos dar a volta por cima e, assim, alcançar o nosso objectivo que passa por ficar nos primeiros seis lugares”.

 

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Jogo disputado no Complexo Desportivo do Monte da Forca

Árbitro: Pedro Ferreira

Auxiliares: Paulo Faria e Eduardo Miranda

VILA REAL – Vieira, Bessa (Filipe 88’), Zé Monteiro, Nuno Fredy (Luís Carlos, 25’), Peixoto, Norberto, Pedro (Leirós 84’), Ernesto, Moura, Nuno Meia, Castanha.

Suplentes não utilizados: Gamito, Conceição, Fred, Caniggia.

Treinador: Luís Pimentel

LEÇA – Cerqueira, Zé Augusto, Madalena, Soares (Vítor, 70’), João Pedro, Rui Ramos, Tiago Pinto (Cambey, 58’), Miguel, Sencadas (Magano, 25’), André, Weslem.

Suplentes não utilizados: Rui Castro, Magalhães, João Paulo e Nuno Maia.

Treinador: Pedro Mesquista

Cartões Amarelos: Nuno Meia (7’), Castanha (13’), Madalena (10’, 22’), Tiago Pinto (36’), João Pedro (47’), Cerqueira (67’), Magano (79’).

Cartão Vermelho: Madalena (22’)

Marcadores: André (5’, 8’), Zé Monteiro (43’, 76’), Castanha (45’), Nuno Meia (67’), Moura (80’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.