Sábado, 28 de Janeiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Secretário de Estado inaugura oficialmente a Variante Valpaços – IP4

Apesar de já estar à disposição dos automobilistas, desde o dia 21 de Dezembro, a Variante que liga Valpaços ao nó do IP4, em Mirandela, mereceu a visita do Secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas e Comunicações que lembrou o investimento de “centenas de milhões de euros que está a ser levado a cabo, […]

-PUB-

Apesar de já estar à disposição dos automobilistas, desde o dia 21 de Dezembro, a Variante que liga Valpaços ao nó do IP4, em Mirandela, mereceu a visita do Secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas e Comunicações que lembrou o investimento de “centenas de milhões de euros que está a ser levado a cabo, na construção e beneficiação de estradas da região transmontana”.

 

Orçados em mais de 22,5 milhões de euros, os 15,5 quilómetros da Estrada Nacional 213 que constituem a ligação entre Valpaços e o nó do Itinerário Principal número 4 (IP4) de Mirandela foram inaugurados, oficialmente, no dia 8, altura em que Paulo Campos, Secretário de Estado das Obras Públicas e Comunicações a classificou como “um bom exemplo”, relativamente à revolução nas acessibilidades transmontanas, prometida pelo Governo.

Segundo o mesmo responsável político, a nova via que facilita as ligações entre os concelhos de Valpaços e Chaves a Mirandela e Vila Flor representa mais um passo na luta contra a sinistralidade rodoviária, através da beneficiação das estradas, ainda servindo para a “dinamização da economia local”.

“O progresso pode unir territórios e tenho certeza que esta estrada servirá para que os dois distritos possam estreitar laços”, sublinhou o Secretário de Estado, sobre a Variante que faz parte de um projecto mais extenso e que, quando estiver concluída (estando prevista, ainda, a beneficiação e a rectificação dos 14 quilómetros que ligam Valpaços a Chaves e um corredor de quatro quilómetros da Variante de Valpaços), reduzirá a distância, entre Chaves e Vila Flor, através de Valpaços e Mirandela, de 70 para 55 quilómetros e o tempo de percurso, de uma hora e meia, para 45 minutos.

Construída sem derrapagem financeira e concluída sete meses antes do prazo previsto, a Variante foi classificada, pelo governante, como um “bom exemplo”, ao nível das obras públicas, no que diz respeito às acessibilidades que, em Trás-os-Montes, segundo Paulo Campos, “têm merecido um investimento significativo do Governo”.

Apesar de se mostrarem satisfeitos com a construção da nova ligação, entre os dois concelhos, os autarcas de Valpaços e Mirandela aproveitaram a ocasião para renovar a reivindicação da construção do nó junto ao Rio Tordo que, segundo Francisco Tavares, Presidente da Câmara Municipal de Valpaços, quando construído, servirá 14 aldeias dos dois Municípios.

Paulo Campos lamentou que não tenha sido encontrada uma solução, em tempo útil, para o nó do Rio Tordo, no âmbito desta empreitada de construção da Variante, “o que não quer dizer que este não venha a ser feito”, frisou.

O Secretário de Estado Adjunto deixou outras garantias, para a população transmontana, relembrando os projectos para a construção das infra-estruturas rodoviárias previstas para a região no Plano Nacional Rodoviário, nomeadamente a conclusão da A24 até Espanha (concluída até ao final do ano), a Auto-estrada Túnel do Marão e a Auto-estrada Transmontana que vão ligar Amarante a Bragança, e, ainda, os Itinerários Complementares (IC’s) 5 e 26.

Relativamente ao traçado que “cortará” Trás-os-Montes, Paulo Campos referiu que ambos (Auto-estrada Transmontana e Túnel do Marão) se encontram dentro dos prazos previstos, para 2012.

“Ainda temos secretas esperanças de anteciparmos e termos a obra finalizada antes do prazo”, confidenciou o mesmo responsável.

 

Maria Meireles

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.