Sábado, 16 de Outubro de 2021

“Tenho a certeza que as gentes de Vila Real escolherão em nome de Portugal”

Depois de passar por Valpaços, Chaves e Vila Pouca de Aguiar, Cavaco Silva apresentou-se pela primeira aos portugueses em modo de comício em Vila Real. Num auditório cheio e animado ‘q.b.’, o candidato mostrou-se confiante sobre o resultado no distrito vila--realense. Garantindo que continuará a ser um “homem de palavra” e cumprirá a sua função com “seriedade, honestidade e rigor, ao serviço do interesse nacional”, o social-democrata apelou ao voto e pediu aos eleitores para que “tudo fique resolvido”, no domingo.

-PUB-

“Não fiquem em casa no próximo dia 23”, apelou Aníbal Cavaco Silva, o candidato à Presidência da República que, no dia 13, escolheu Vila Real para o primeiro comício da campanha.

Fazendo um balanço sobre as “lições que já tirou” no périplo por 12 distritos do país, inclusive Açores e Madeira, Cavaco Silva mostrou-se satisfeito por constatar que “os portugueses começam a ter consciência que esta eleição presidencial é muito importante”. “É muito importante para fixar o rumo certo de Portugal. Para conseguirmos vencer a crise em que o país está mergulhado e para melhorar a imagem ao nível internacional. Para trazer uma nova esperança para Portugal, um novo clima de confiança, que leve os portugueses a acreditarem que vencer é possível”, afirmou.

Assim, confiante na tomada de consciência da população em geral, o ainda presidente da República, que se recandidata apoiado obviamente pela bandeira laranja, apelou ao voto referindo que se trata de “um dia decisivo para Portugal”. “Não podemos adiar a decisão. Isso significaria deixar prolongar por mais tempo os problemas do nosso país, problemas que merecerem de atenção. Tudo tem que ficar resolvido no dia 23”, defendeu o candidato.

“Vocês conhecem-me há muito tempo, sabem que sempre fui um homem de palavra. Sabem que serei um presidente de todos, todos, os portugueses”, garantiu Cavaco Silva, deixando ainda a promessa de que reassumirá o cargo “com seriedade, honestidade e rigor. Servindo o interesse nacional com ponderação, bom senso e realismo”.

Mais, o candidato considerou mesmo que a escolha do próximo domingo é “muito simples”. “Olhando para cada um dos candidatos, devem escolher o mais capaz para exercer as funções de presidente da República…”

No que diz respeito às primeiras ilações sobre o contacto com os portugueses durante a campanha das próximas presidências, o social-democrata sublinhou antes de mais, o “apoio extraordinário da população portuguesa” à sua candidatura, referindo que, “apesar do frio, da chuva e do vento, os portugueses têm vindo” ao seu encontro.

No distrito de Vila Real não foi diferente, e Cavaco Silva congratulou-se por ter encontrado “uma força impressionante em Valpaços, depois em Chaves, Vila Pouca e Vila Real, tal como aconteceu também na Guarda e em Bragança e em todos os outros distritos” por onde passou.

O candidato deixou uma palavra de esperança aos portugueses, referindo que a história demonstra que nos momentos difíceis o país foi capaz de responder com sucesso. “Estou certo de que, se fizermos as escolhas certas, o mesmo acontecerá agora”.

Aos jovens, Cavaco pediu mais participação política e cívica, pese embora cada vez mais esta geração mostre a sua vontade por “lutar por um Portugal melhor”, já às mulheres enalteceu o facto de “aparecem predominantemente na primeira linha da campanha” e estarem “a tomar consciência da sua força transformadora, do seu contributo pela forma diferente de olhar para a realidade, de agir, de pensar e de decidir a favor do bem comum”.

Antes do comício, que contou com a presença do líder do PSD, Pedro Passos Coelho, Cavaco Silva inaugurou a sua sede de campanha, situação da Avenida João Paulo II, junto à Alameda de Grasse.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.