Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Terceira derrota consecutiva

Depois da derrota caseira inesperada frente ao Vila Meã, o Vila Real teve uma deslocação difícil até Serzedelo e averbou a terceira derrota consecutiva na prova. Tudo se começa a complicar para os alvi-negros que não conseguem dar a volta a esta onda de maus resultados. O técnico Luís Pimentel operou algumas alterações no onze em relação ao último jogo, fruto de lesões e castigos que tem assolado a equipa. Pela primeira vez, esta época, deixou Vieira no banco e colocou o guarda-redes Gamito a titular, que teve algumas hesitações, mas não teve culpa nos dois golos sofridos.

Numa tarde cinzenta e chuvosa, o futebol apresentado pelos vila-realenses não teve a fluidez que se esperava, o seu jogo foi demasiado afunilado pelo centro do terreno, não explorando os flancos. A falta de extremos de raiz poderá ter contribuído para a pouca utilização das faixas laterais.

O Serzedelo entrou bem no jogo, mantendo uma pressão alta sobre o último terço do terreno e cedo chegou ao golo. Praticamente, na primeira oportunidade que teve, aproveitou da melhor forma para inaugurar o marcador, estavam decorridos 10 minutos. Através de uma jogada de insistência, há uma primeira defesa de Gamito, os defensores não foram lestos a aliviar e Davide aproveitou para rematar para o fundo da baliza. O Vila Real respondeu, aos 20’, quando Moura amorteceu para a pequena área, onde aparece Nuno Meia que não soube aproveitar a atrapalhação do guarda-redes com o seu defesa. Os transmontanos sentiam dificuldades em ganhar a bola no meio-campo, onde os visitados tinham uma supremacia evidente e aproveitavam para abrir o seu jogo pelas alas, onde se evidenciou o jovem Feliz, criando muitas dores de cabeça ao último reduto alvi-negro. Antes do intervalo, os forasteiros tiveram a uma boa ocasião para anular a desvantagem. Zé Monteiro coloca em Moura, este enche o pé e faz o remate cruzado, mas a bola saiu a milímetros do poste, já com o guarda-redes completamente batido.

Para a segunda parte, o técnico transmontano opta por deixar Pedro nos balneários, com problemas de ordem física, e coloca André Lisboa a pautar o jogo no centro nevrálgico do terreno. Mas, curiosamente, foram os homens da casa a criar a primeira oportunidade, com Ricardinho a rematar para defesa atenta e segura de Gamito. Aos 57’, Maurício, na cara do guarda-redes, atira à figura de Gamito. O aviso estava dado e volvidos dois minutos, vai mesmo marcar. Na sequência de um pontapé de canto, há um primeiro alívio, a bola fica em Maurício que desfere um potente remate para o segundo golo do encontro. Gamito ainda se fez ao lance, mas não conseguiu suster o remate muito forte do médio ofensivo. Completamente rendidos ao maior poderio ofensivo dos verde-rubros, os vila-realenses não conseguiam explorar o seu futebol e davam muitas brechas na defensiva. A equipa da casa construía o resultado com naturalidade. Ganhava a luta no centro do terreno, lançando rápidos contra-ataques que colocaram em alerta a defesa forasteira.

A 5 minutos do final, os alvi- -negros vão ressurgir no encontro e finalmente vão incomodar as hostes defensivas dos homens da casa. Ainda reduziram num golo do incansável Moura e tiveram uma outra boa ocasião, mas já foi demasiado tarde para anular mais um resultado negativo.

O resultado acaba por ser justo, uma vez que o Serzedelo mostrou mais argumentos que os vila-realenses que apresentaram um futebol previsível e, assim, é difícil encontrar o caminho das vitórias.

 

 

 

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“O Serzedelo foi melhor”

 

O técnico alvi-negro ficou conformado com mais um resultado negativo, num jogo onde o adversário mostrou mais capacidade para vencer.

“Fizemos uma exibição muito oscilante. Entrámos mal no jogo, sofremos o golo e depois tivemos duas boas ocasiões para fazer a igualdade. Na 2.ª parte, o Serzedelo entrou melhor, controlou o jogo nos primeiros vinte minutos e marcou o segundo golo. Tudo ficou mais complicado, mas a equipa soube reagir, mas só conseguimos reduzir já em tempo de compensação. Se tivéssemos alcançado o golo mais cedo, tudo poderia ser diferente. Não foi assim e o Serzedelo acabou por ganhar bem, uma vez que foi melhor que o Vila Real.

Hoje, houve jogadores que actuaram com limitações físicas, mas as alterações operadas deram mais força e atitude à equipa com a entrada de André, Caniggia e Fred. Acabaram por dar outra dinâmica à equipa e temos que contar com todos eles para esta ponta final da 1.ª fase do campeonato que se espera de estrema dificuldade”.

No próximo domingo, o Vila Real desloca-se a Padrão da Légua para defrontar a equipa local, Luís Pimentel espera também um jogo complicado, uma vez que o Padroense está em crescente de forma. “Os resultados negativos nunca trazem confiança, mas com o grupo unido vamos reagir e tentar dar a volta aos maus resultados”.

 

 

Marco Alves, treinador do Serzedelo

“A posição que o Vila Real tem na tabela não condiz com a sua qualidade”

 

O técnico vencedor estava satisfeito com a vitória da sua equipa que, assim, soma mais três pontos importantes para alcançar os objectivos do clube.

“Sabíamos que iríamos ter um jogo bastante difícil, perante uma equipa do Vila Real que tem valor e a sua posição na tabela não condiz com a qualidade que tem. Por isso, não contávamos com facilidades, mas encaramos o jogo com muita atitude e vontade de vencer. Conseguimos marcar dois golos e depois fomos gerindo o resultado. O nosso objectivo passa por garantir a manutenção e para isso pretendemos ficar já nos seis primeiros lugares, desta 1.ª fase. É por esses lugares que temos lutado desde a 1.ª jornada e vamos continuar a lutar até ao último jogo”.

 

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Jogo disputado no Campo das Oliveiras em Serzedelo

Árbitro: Hélder Ferreira

Auxiliares: Humberto Coelho e Hugo Silva

SERZEDELO – Paulo Jorge, Carlos Filipe, Pinto, Rui Duarte, Capucho, Xavi, Miguel Mota, Maurício (Pidu, 80’), Ricardinho (Vitinha, 64’), Feliz (Ângelo, 88’), Davide.

Suplentes não utilizados: Rui Neto, Luís Filipe, Nera e Dias.

Treinador: Marco Alves

VILA REAL – Gamito, Filipe (Caniggia, 58’), Zé Monteiro, Nuno Fredy, Luís Carlos, Ernesto, Pedro (André Lisboa, 45’), Norberto, Moura, Nuno Meia (Fred, 80’), Castanha.

Suplentes não utilizados: Vieira, Peixoto e Conceição.

Treinador: Luís Pimentel

Cartões Amarelos: Maurício (42’), Norberto (50’), Feliz (52’), André Lisboa (55’), Pinto (69’), Ernesto (71’), Carlos Filipe (92’).

Ao intervalo: 1 – 0

Marcadores – Davide (10’), Maurício (59’), Moura (93’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.