Domingo, 17 de Outubro de 2021

Terminou “a maior operação sanitária de sempre” em Vila Real

Operação de evacuação de 53 idosos infetados com Covid-19 do lar Nossa Senhora das Dores para um hospital privado terminou já de madrugada.

-PUB-

53 idosos do Lar de Nossa Senhora das Dores, que deram positivo para o novo coronavírus, já estão internados num dos hospitais privados de Vila Real, depois de terem sido transferidos na última sexta feira, naquela que foi classificada pelo presidente da autarquia, Rui Santos, como "a maior operação sanitária de sempre" realizada no concelho. A transferência dos utentes da instituição começou às 20h25 de sexta feira e só terminou as 5h deste sábado, mobilizando cerca de 50 operacionais e 25 viaturas.

Os 53 utentes foram transferidos para o Trofa Saúde Hospital, localizado em Vila Real, tratando-se de pessoas infetadas mas assintomáticas. Nesta instituição foram confirmadas 88 pessoas, entre residentes e colaboradores, com a covid-19.

As duas primeiras ambulâncias que transportavam os idosos saíram do lar pelas 21:15, escoltadas por motos da polícia. A operação foi dada como concluída às 05:00.

Segundo a autarquia, a morosidade deste transporte deveu-se “essencialmente à necessidade de assegurar todas as condições de higiene e segurança, quer para os bombeiros que fizeram o transporte, quer para os idosos transportados”, já que os 53 utentes transferidos testaram positivamente para a covid-19.

No total, de acordo com a fonte, foram mobilizados 50 operacionais e 25 viaturas, entre bombeiros, PSP, Cruz Vermelha Portuguesa, Exército e Proteção Civil.

Só dos bombeiros foram acionados 21 homens, 11 viaturas e dois carros de comando das duas corporações do concelho de Vila Real: Cruz Banca e Cruz Verde.

No domingo, foi detetado o primeiro utente com o novo coronavírus no Lar de Nossa Senhora das Dores, localizado no centro da cidade de Vila Real.

Na terça-feira conheceram-se mais 20 casos positivos e na sexta-feira, foi divulgado que o número de infetados ascendeu aos 88 positivos, entre funcionários e utentes.

Depois de dias de impasse, concretizou-se na sexta-feira à noite a evacuação da instituição particular de solidariedade social.

“Este foi um processo complexo e inédito, que obrigou a algumas alterações de estratégia e adaptação ao longo de quatro dias. Ainda assim, a solução encontrada em articulação entre a autarquia, a Saúde e a Segurança Social, parece ser a mais acertada”, referiu a câmara.

O Trofa Saúde, em Vila Real, disse estar a “mobilizar todos os recursos técnicos e humanos, em parceria com o Serviço Nacional de Saúde (SNS), para se constituir como o primeiro hospital privado da região a receber doentes com covid-19”.

Os utentes terão um acompanhamento clínico por parte das equipas do Trofa Saúde, que serão apoiados por profissionais do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD).

No final da operação, o município agradeceu “a todos os que contribuíram para o desfecho desta situação”, nomeadamente bombeiros, Exército, Proteção Civil, Cruz Vermelha, PSP, enfermeiras voluntárias e trabalhadores da autarquia.

Dirigiu ainda uma palavra para as trabalhadoras do lar, a quem foi proposto na quinta-feira que regressassem às suas casas, mas optaram voluntariamente por permanecer até ao fim da operação.

Estas nove funcionárias vão, agora, para casa cumprir o isolamento profilático decretado pela delegada de saúde.

Depois da evacuação, o Exército vai proceder hoje à limpeza e desinfeção do lar, preparando-o para voltar a receber os residentes.

Devido à cadeia de contacto identificada no Lar de Nossa Senhora das Dores, a câmara acionou na terça-feira o plano de emergência municipal.

Portugal registou na sexta-feira 76 mortes associadas à covid-19, mais 16 do que na quinta-feira, e o número de infetados subiu para 4.268, segundo a Direção-Geral da Saúde.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.