Sábado, 12 de Junho de 2021
© Rafael Neto

Trabalhadores judiciais exigem progressão na carreira e fim do “trabalho de escravo”

Foi a uma só voz que cerca de 60 trabalhadores da Comarca de Vila Real pediram justiça para quem nela trabalha. Esta era, aliás, a frase que traziam estampada nas camisolas.

-PUB-

Saíram à rua com várias reivindicações, uma delas a revisão do estatuto profissional há muito prometido, mas que teima em não sair da gaveta.

“O Governo tem vindo a desrespeitar os trabalhadores, mas também as leis da Assembleia da República”, começou, por dizer, António Marçal, presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais, indicando que “é o segundo ano consecutivo em que, na lei do Orçamento de Estado, é fixado um prazo para que o nosso estatuto profissional seja revisto, uma obrigação que o Governo continua sem cumprir”.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.