Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Trinta casas de habitação social vão ser redistribuídas até julho

Imóveis estão a ser recuperados de forma faseada pela Câmara e serão entregues “como novos”. Cerca de 400 continuam em lista de espera para uma habitação social

-PUB-

A Câmara Municipal de Vila Real vai entregar, até julho, 30 casas de habitação social a famílias carenciadas do concelho, uma medida possível graças a um novo regulamento e a uma reorganização do parque habitacional.

Eugénia Almeida, vereadora da autarquia responsável pelo pelouro da ação social, explicou que a entrega das habitações irá acontecer de forma faseada porque as mesmas estão a ser alvo de obras de requalificação. “Vão se entregues praticamente como novas”, sublinhou.

No rol de habitações, localizadas nos quatro bairros sociais do concelho, estão casas de várias tipologias que serão atribuídas mediante as necessidades das famílias classificadas como prioritárias, por exemplo casos de agregados com filhos, desempregados ou famílias monoparentais.

“Num universo de 1200 pedidos, formalizaram a candidatura plena cerca de 400 famílias”, contabilizou a vereadora deixando a garantia de que a seleção foi feita segundo critérios claros que estão explanados no novo Regulamento Municipal de Acesso e Gestão da Habitação Municipal. “Agora temos um regulamento, uma matriz social segundo a qual são escalonadas os candidatos, que têm conhecimento do seu posicionamento” na lista de espera por uma casa, sublinhou.

Reconhecendo que o número de habitações é manifestamente reduzido para fazer face ao número de pedidos existente, Eugénia Almeida deixou a certeza de que “o processo é para continuar” e que “mais casas serão recuperadas” e, futuramente, entregues a quem mais delas precisa.

De recordar que, no âmbito da reorganização do parque habitacional, o município encetou as medidas necessárias para reaver algumas casas dos bairros sociais que estariam a ser utilizadas indevidamente, ou seja, que estavam a ser usadas como segunda habitação pelos inquilinos ou mesmo a ser subalugadas. Os processos continuam a ser avaliados e alguns ainda decorrem em tribunal.

Por outro lado, para fazer face às necessidades a este nível, a autarquia está a preparar a implementação de um subsídio ao arrendamento.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.