Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Túnel do Marão com cinco candidatos

Depois de conhecidos os consórcios de empresas interessados em construir o Túnel do Marão, o Governo deverá escolher as duas melhores propostas, para a fase de negociação final. Até ao final do ano, deverá ser adjudicada a obra que ligará os distritos do Porto e de Vila Real, num total de 30 quilómetros e que […]

Depois de conhecidos os consórcios de empresas interessados em construir o Túnel do Marão, o Governo deverá escolher as duas melhores propostas, para a fase de negociação final. Até ao final do ano, deverá ser adjudicada a obra que ligará os distritos do Porto e de Vila Real, num total de 30 quilómetros e que contemplará “o maior túnel rodoviário português”.

“Apresentaram-se a concurso cinco consórcios, num total de 31 empresas”, avançou o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações (MOPTC), no dia 6, quando forem abertas as propostas para a concessão do Túnel do Marão, Troço da Auto-Estrada número 4 (A4) que vai ligar Amarante e Vila Real.

Em comunicado, o Ministério adiantou que “os cinco concorrentes apresentaram diversas propostas, num total de 14, com valores de construção a variar entre 325,4 e 375 milhões de euros, a preços de 2006”.

“A concessão dos sublanços de Auto-Estrada e conjuntos viários associados, nos distritos do Porto e Vila Real, inclui a concepção, construção, aumento do número de vias, financiamento, exploração e conservação, com cobrança de portagem, aos utentes, do lanço de Auto-Estrada entre A4/IP4 – Amarante/Vila Real, com uma extensão aproximada de 30 quilómetros”, explica o mesmo documento, adiantando que “encontram-se incluídos, no lanço de auto- -estrada, a operação, manutenção e o alargamento do troço entre os nós de Geraldes e de Padronelo, onde não será cobrada portagem, ao tráfego local, com a extensão aproximada de quatro quilómetros”.

A selecção dos dois concorrentes admitidos à fase final de negociações e a adjudicação da concessão terão por base a avaliação das propostas, tendo como critérios “o valor da dívida sénior contratada por reembolsar, no final da concessão, o valor actualizado dos pagamentos por disponibilidade, a qualidade da proposta, a solidez da estrutura financeira, empresarial e contratual, o envolvimento privado e grau de compromisso, as datas de entrada ao serviço e níveis de qualidade de serviço e de segurança”.

A “Concessionária do Túnel do Marão” (Soares da Costa, FCC Construccion, Global Via Infraestruturas, SA e Operária Infraestruturas, SA), o “Consórcio Lusomarão” (Mota-Engil, Engenharia e Construção, OPCA – Obras Públicas e Cimento Armado, Banco Espírito Santo, Monte Adriano – Engenharia e Construção, Sociedade de Construções H.HAGEN, Alberto Martins de Mesquita & Filhos, Empresa de Construções Amândio Carvalho e Rosas Construtores), a “Auto-Estrada do Marão” (Brisa, Teixeira Duarte, Alves Ribeiro, Construtora do Tâmega, Zagope SGPS) e a “Auto-Estradas do Marão” (Somague, MSF Concessões SGPS e Itenere) são os consórcios que participaram no concurso que ainda conta com a candidatura, sem denominação, que envolve as empresas Dragados, Iridium Concesiones de Infraestructuras, Désarrollo de Concessiones Viarias Uno, Désarrollo de Concessiones Viarias Dos e CAT Desenvolupament de Concessiones Catalanes.

O troço que vai atravessar a Serra do Marão, desenvolvendo-se nos concelhos de Amarante, Baião, Peso da Régua e Vila Real, representa a primeira parte da A4, sendo que a segunda metade da via, troço denominado por Auto-Estrada Transmontana (145 quilómetros, entre Vila Real e Bragança), tem, agora, o seu estudo de impacte ambiental em fase de discussão pública, estando previsto o início da sua construção para 2009.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.