Sábado, 16 de Outubro de 2021

“Um dia pela Vida” na luta contra o cancro

Durante quatro meses, o concelho da Régua será o local para a realização de um vasto conjunto de actividades direccionadas para a sensibilização, prevenção e luta contra o cancro, inseridas no projecto “Um dia pela Vida”, da Liga Portuguesa Contra o Cancro. Perto de 300 pessoas, distribuídas por 20 equipas, já estão mobilizadas para participarem neste importante evento

-PUB-

Na tarde de sábado, o espaço do salão do Museu do Douro foi pequeno para acolher cerca de centena e meia de pessoas que estiveram na apresentação pública do projecto humanitário e solidário. Diversas instituições, entidades públicas e privadas, e pessoas sintonizadas com a causa da luta conta o cancro, não faltaram ao evento.

O presidente da Câmara Municipal de Peso da Régua, Nuno Gonçalves, sublinhou a importância do envolvimento da autarquia num projecto “tão nobre”. “Mostramos a nossa solidariedade com a Liga Portuguesa contra o Cancro. Iremos disponibilizar toda a logística e dar apoio necessário à organização desta iniciativa”.

Vítor Veloso, responsável do Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro, revelou as múltiplas acções que irão decorrer até 2 de Julho. “Durante este período de quatro meses, para além de actividades de sensibilização e informação, haverá acções de outro tipo, como concursos, apresentações de poesia e teatro, música, almoços, jantares, concertos, caminhadas, corridas, etc.”. A escolha recaiu sobre a Régua porque a cidade “já demonstrou as suas potencialidades, numa acção idêntica que se realizou em Lamego”. Mas, no futuro, a organização promete avançar para outros concelhos. Por sua vez, o presidente do Núcleo da Régua, José Tojeiro, referiu, ao Nosso Jornal, que a escolha da Régua partiu de um desafio de Vítor Veloso, que foi aceite com uma condição, que se fizesse um rastreio do Cancro da Mama na Régua. “Esse rastreio já foi realizado em todas as mulheres do concelho e agora vamos avançar com as acções.

A iniciativa vai começar com 300 voluntários e 20 equipas. “Neste momento, estamos a receber as propostas das equipas, que irão ser as responsáveis pelas acções. Há acções conjuntas com Mesão Frio, Santa Marta e Lamego. Queremos divulgar informação de forma a prevenir o cancro, explicar e acabar de uma vez por todas com o mito que o cancro mata, o cancro não mata, e eu sou a prova disso”, acrescentou José Tojeiro.

O Núcleo da Régua irá funcionar nas antigas instalações da Companhia de Seguros Mundial Confiança, no Edifício Santa Rita, próximo da zona ribeirinha da cidade.

 

Saber lidar com a doença

 

José Tojeiro aproveitou para dar alguns conselhos aos nosso leitores que podem ajudar na detecção da doença e na forma de lidar com ela. “Qualquer sintoma que lhe seja estranho consulte o seu médico o mais rápido possível. Se as coisas forem atacadas logo no início, tem 90 por cento de possibilidade de sucesso. Para lidar com a doença, temos de falar dela e sem medo. Qualquer um de nós está sujeito a que lhe aconteça e não há que ter medo ou vergonha de ter um cancro, há que luta”.

O projecto surgiu há mais de 25 anos nos Estados Unidos, no âmbito da American Cancer Society, com o nome de Relay for Life, e tem vindo a desenvolver-se em Portugal com o nome de Um Dia pela Vida, sendo Peso da Régua o 23º. concelho a recebê-lo. As formas de participar no projecto passam pela constituição de equipas, entre 8 a 20 elementos, que se propõem levar a efeito, em articulação com a comissão local, actividades que visem a consecução dos objectivos do Um Dia Pela Vida.

O projecto visa essencialmente a angariação de fundos para as diversas actividades da Liga, nomeadamente a educação e prevenção como forma de combater a doença; o reforço da solidariedade no tecido social; e a modificação da atitude face à doença.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.