Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Vila Real, 2 – Alpendorada, 1

Cedo se percebeu que o Alpendorada vinha até Trás-os-Montes para conquistar pontos. A postura dos seus homens em campo demonstrou que os vila--realenses iriam ter uma tarefa muito difícil para alcançar os três pontos. Esta 3.ª divisão é constituída por equipas muito niveladas, onde, às vezes, aquelas formações que estão no fundo da tabela são tão difíceis de bater como aquelas que estão na frente da classificação. Este campeonato promete muita luta até ao final desta 1.ª fase.

Quanto ao jogo, entraram melhor os vila-realenses e logo, aos 4 minutos, Nuno Meia teve na sua cabeça a oportunidade de inaugurar o marcador. Pedro tem um excelente trabalho na esquerda, coloca ao 2.º poste, onde aparece Meia a cabecear às malhas laterais. Apesar do maior domínio de jogo, os alvi- -negros sentiam muitas dificuldades para criar perigo junto da área forasteira. Com uma marcação forte e alta, o Alpendorada não dava espaços ao adversário para organizar o seu jogo. Sempre que tinha oportunidade, também, não descurava o contra-ataque, onde Ricardinho esteve em evidência pela velocidade que imprima ao jogo da sua equipa.

Os transmontanos só através de lances de bola parada conseguiam levar perigo junto da baliza de Mota. Aos 23’, na sequência da marcação de um canto, Pedro e Meia fazem a combinação, com este último a levantar para o interior da área, onde aparece o capitão Zé Monteiro, em boa posição, a rematar por cima do travessão. O jogo estava muito competitivo no centro nevrálgico do terreno, onde os forasteiros não facilitavam e como os vila-realenses não colocavam velocidade no seu jogo, a tarefa do Alpendorada esteve mais facilitada. Até que, sobre o apito para o intervalo, Nuno Meia tira “um coelho da cartola”, num excelente remate de pé direito. Na marcação de um livre directo, o médio criativo colocou a bola no canto superior da baliza de Mota, que não conseguiu suster o remate perfeito de Nuno Meia. Estava feito o primeiro golo do encontro.

Ao intervalo, o técnico Tiago Moreira, fez algumas alterações que vieram a surtir efeito para a 2.ª parte. Deixou Gaio nos balneários e colocou Norberto no seu lugar. O central Gato foi para a frente fazer de avançado, recuando para central, Casaca. Ficou totalmente transfigurada a formação do Alpendorada, que mostrou uma atitude guerreira e agressiva sobre o homem que tinha a bola. Com maior pendor ofensivo, os transmontanos acabaram por recuar muito no terreno e tentavam, agora, explorar o contra-atraque. Num desses lances, Bessa atira ao poste, depois do cruzamento de Ernesto. Mas, era o Alpendorada que tudo arriscava para anular a desvantagem e vai conseguir aos 60 minutos. Eduardo num bom trabalho na esquerda, coloca em Norberto que remata cruzado para o fundo das redes. Estava restabelecida a igualdade no Monte da Forca. Com o empate, o Alpendorada voltou a recuar as suas linhas e a defender o resultado. Estratégia que acabou por pagar caro, uma vez que Pedro num remate feliz vai dar a vitória e os três saborosos pontos aos vila-realenses. Depois de uma boa jogada individual, o remate sai prensado, a bola faz um arco e acaba por entrar na baliza de Mota.

Até ao final, o Alpendorada esteve perto de marcar, mas Vieira em duas grandes intervenções segurou a vantagem e os três pontos. Uma vitória importante para dar outro fôlego e maior tranquilidade aos comandados de Luís Pimentel.

 

Márcia Fernandes

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“O mais importante foi a vitória”

Luís Pimentel ficou satisfeito com a conquista dos três pontos, mas considera que foi um jogo muito complicado, onde teve a sorte que têm faltado em outros jogos.

“O jogo valeu pela conquista dos três pontos. Não foi um bom jogo de futebol, com a bola muito pelo ar e nem sempre bem tratada. O relvado também não ajuda, uma vez que está muito duro e a relva tem várias falhas. Tudo isso condiciona a espectacularidade e a dinâmica do jogo. O Alpendorada veio à procura de pontos e isso ficou bem patente no terreno. Foi uma equipa determinada, agressiva e com sentido de conquista. Apesar de não termos jogado bem, fomos mais eficazes e conseguimos alcançar a vitória, que foi o mais importante. Se jogarmos melhor, teremos condições para ganhar mais vezes. Vínhamos de três jogos sem vencer e esta vitória é preponderante para dar maior tranquilidade à equipa. É um resultado que acaba por ser justo, mas também feliz”.

No próximo jogo o Vila Real vai até Lixa para defrontar o último classificado. Luís Pimentel não prevê um jogo fácil, mas promete lutar para vencer.

 

 

Tiago Moreira, treinador do Alpendorada

“Merecíamos pelo menos o empate”

Tiago Moreira, no final do encontro, mostrou-se insatisfeito com o resultado, mas feliz com o desempenho dos seus atletas.

“Fizemos um bom jogo, mas a sorte não quer nada com esta equipa. Estivemos sempre a pressionar o Vila Real, durante o segundo tempo, mas não conseguimos o nosso objectivo que passava por pontuar, aqui, em casa do adversário. Mais parecia que era o Vila Real que estava a jogar fora, tal foi a nossa superioridade na 2.ª parte. Tenho que dar os parabéns à minha equipa, uma vez que tudo fez para conseguir um resultado positivo. São uns grandes profissionais e mereciam pelo menos o empate. Mas, não vamos desanimar e a sorte vai acabar por aparecer, porque estamos a trabalhar bem e os jogadores merecem vitórias. Temos vindo a melhorar o plantel e já no próximo jogo vamos contar com os três reforços que vieram do Maia”.

 

 

FICHA TÉCNICA

Jogo disputado no Complexo Desportivo do Monte da Forca

Árbitro: Ricardo Ferreira

Auxiliares: Hélder Barroso e José Azevedo

VILA REAL – Vieira, Filipe (Moura 68’), Zé Monteiro, Nuno Fredy (André Lisboa 73’), Peixoto, Norberto, Leirós (Luís Carlos 57’), Ernesto, Pedro Bouças, Nuno Meia, Bessa.

Suplentes não utilizados: Gamito, Conceição e Fred.

Treinador: Luís Pimentel

ALPENDORADA – Mota, Pisco, Cláudio, Gato, Hugo, Casaca, Gaio (Norberto 45’), Emerson (Luís Pinto 55’), Ricardinho (Carvalho 80’), Pedro, Eduardo.

Suplentes não utilizados: Ricardo, Kevin, Joel e Tiago.

Treinador: Tiago Moreira

Cartões Amarelos: Eduardo (22’), Pedro (35’), Casaca (45’), Zé Monteiro (47’), Norberto (47’), Bessa (49’), Ricardinho (53’), Luís Pinto (61’), Mota (76’), Hugo (77’), Vieira (86’), Nuno Meia (87’), Norberto (88’), Gato (92’).

Ao intervalo: 1 – 0

Marcadores: Nuno Meia (45’), Norberto (60’), Pedro Bouças (78’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.