Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

Vila Real foi a diocese mais beneficiada a nível nacional

“Cristãos a ajudar cristãos”. Esse poderia ser o lema do Fundo criado pela Igreja Católica e que já foi responsável pela atribuição de dezenas de milhares de euros a pessoas carenciadas. Só em Vila Real, já foram injectados cerca de 19 mil euros para ajudas variadas, que vão desde alimentação e roupas, até ao pagamento de rendas ou execução de obras em residências.

-PUB-

Nos últimos dois meses, a Cáritas Diocesana de Vila Real apoiou mais de uma centena de pessoas recorrendo a 19 mil euros do Fundo Social Solidário, uma iniciativa criada pela Igreja Católica, em 2010, “para acorrer aos mais necessitados”.

Segundo a Agência Eclesia, só em Dezembro o fundo distribuiu quase 74 mil euros a 323 pessoas, tendo sido dado resposta a 103 candidaturas apresentados por oito das vinte dioceses territoriais de Portugal.

Entre essas, Vila Real foi a que recebeu o maior valor, 19 mil euros, a qual se seguiram às Cáritas de Aveiro (17 500) e Coimbra (15 mil).

Segundo o padre Ernesto Lúcio, presidente da Cáritas Diocesana de Vila Real, a primeira posição no ranking das dioceses contempladas deve-se ao facto de ter sido a que mais candidaturas apresentou, isso graças ao dinamismo da equipa envolvida no projecto, através de um trabalho contínuo junto das famílias mais carenciadas. “Temos feito um trabalho exaustivo. As pessoas e as suas necessidades estão identificadas num processo que é contínuo”, explicou o mesmo responsável, referindo que, “logo que há uma oportunidade” de recorrer a apoios, é muito mais fácil elaborar as candidaturas.

Em dois meses foi possível investir cerca de 19 mil euros nas pessoas mais carenciadas do distrito, sendo de sublinhar que os apoios são dos mais variados possíveis, desde alimentos às roupas, passando pelo pagamento de rendas de casas ou mesmo de dívidas às finanças.

Os maiores valores atribuídos, segundo o padre Lúcio, serão injectados em obras em duas habitações, nomeadamente, a criação de uma casa de banho para “uma senhora com problemas psicológicos, que vive sozinha numa aldeia”, e para a reconstrução “de uma barraca onde vive um senhor idoso, solteiro,” e que actualmente não tem condições de habitabilidade, como por exemplo luz e água canalizada.

“Há muitos pedidos”, revelou o mesmo responsável, explicando que a triagem das maiores necessidades é feita por uma equipa de técnicos que vai ao terreno, que reúne com as famílias para comprovar a carência existente e para estudar as soluções possíveis e a quem poderão recorrer.

Apesar da ajuda agora atribuída, a Cáritas de Vila Real não se limita a apoiar aqueles que dizem precisar, segundo o padre Lúcio, além de confirmar as reais necessidades de cada agregado familiar, os técnicos analisam as causas da situação de pobreza e tentam ajudar na reestruturação das suas vidas, ensinando, por exemplo, regras de poupança. “Incentivamos as pessoas a optar pelo que é mais importante e deixar de lado o que não é essencial. Ajudamos a elevar a sua auto- -estima e a descobrir o caminho para sair da situação de pobreza”, explicou o sacerdote.

Dentro de dias, a Cáritas Diocesana vila-realense vai ainda entregar 80 cabazes de alimentos, sendo de sublinhar ainda o forte apoio atribuído às famílias fragilizadas pelas problemáticas do álcool e da toxicodependência.

“Não temos uma fábrica de dinheiro, os fundos recolhidos são fruto da caridade dos cristãos”, referiu Ernesto Lúcio, esclarecendo que, se o saldo do Fundo Social é hoje de perto de 200 mil euros é devido ao incentivo à caridade de cristãos com mais possibilidades, que assim demonstram o seu “amor pela pessoa” ao dar um pouco do que têm aos cristãos necessitados.

Segundo a Cáritas Portuguesa, por orientação da Comissão Episcopal da Pastoral Social, foi aberta uma conta designada Fundo Social Solidário, “com o objectivo de acorrer aos mais necessitados, especialmente neste contexto de crise”.

Qualquer pessoa pode ajudar o Fundo através de uma transferência bancária para a conta Fundo Social Solidário, com o número 109 004 0150 (junto do banco Millenium BCP) e o NIB 0033 0000 0109 0040 15012, nas caixas Multibanco (Entidade: 22 222 e Referência: 222 222 222), enviando o donativo para a sede da Cáritas Portuguesa (Praça Pasteur, nº 11 – 2º Esq., 1000-238 Lisboa), ou até mesmo através de uma chamada de valor acrescentado para o número 760 300 150, cujo valor (60 cêntimos + IVA) reverte a favor do projecto.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.