Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

“A prova do WTCC vai ser um evento único e com casa cheia”

– Sei que estudou hotelaria e até fez um estágio nos Estados Unidos, mas mais tarde decidiu mudar radicalmente de vida e foi parar ao automobilismo. Como aconteceu essa mudança tão radical e como chegou a piloto profissional? O meu percurso académico levava-me para a gestão hoteleira mas a determinada altura, e por influência do […]

– Sei que estudou hotelaria e até fez um estágio nos Estados Unidos, mas mais tarde decidiu mudar radicalmente de vida e foi parar ao automobilismo. Como aconteceu essa mudança tão radical e como chegou a piloto profissional?

O meu percurso académico levava-me para a gestão hoteleira mas a determinada altura, e por influência do meu pai, decidi participar numa corrida de automóveis em França e o resultado, para estreia, foi muito positivo. Daí em diante não mais parei e num curto espaço de tempo tornei-me profissional e a fazer toda a minha carreira como piloto.

 

– A primeira corrida que viu ao vivo foi em Vila Real? Qual a ligação que tem à cidade?

O meu pai sempre foi um enorme apaixonado pelo desporto automóvel e em criança vinha muitas vezes para Vila Real, onde tenho família, e o meu pai levava-me sempre a ver as corridas. Foi aqui que assisti às primeiras corridas longe de poder imaginar que um dia eu próprio viria a correr neste circuito.

 

– Este ano e nos próximos dois, pelo menos, o Campeonato Mundial de Carros de Turismo (WTCC) vai passar por Vila Real. O que espera desta prova e do público?

Não tenho dúvidas que vai ser um evento único e com 'casa cheia'. Pessoalmente espero ser bem-sucedido. Chegar ao pódio é sempre o meu foco.

 

– Está na quarta posição no Mundial, com 73 pontos. Qual é o objetivo para a presente época desportiva?

Como todas as pessoas já perceberam continuamos a evoluir o nosso Honda Civic, que infelizmente ainda não tem a performance que permita lutar de igual para igual com os Citroën, por isso o nosso objetivo é sempre fazer o melhor resultado possível para somar o maior número de pontos para o campeonato. Os pódios são sempre a nossa principal meta.

 

– A 7 de junho realiza-se a quinta prova do Mundial, que desta vez será em Moscovo. Quais são as expectativas?

As expectativas são as mesmas. Fazer o melhor resultado possível, somar pontos e se possível lutar pelo pódio.

 

– De alguma forma sente-se arrependido por ter “trocado” a Fórmula 1 pelo WTCC?

A decisão foi minha e penso que foi a melhor opção. Estou lindamente no WTCC e espero aqui ficar por muitos mais anos.

 

– É muito difícil, para um piloto português, vingar na Fórmula 1?

Claro que sim. Não tanto pelas qualidades dos pilotos portugueses mas sobretudo pelo facto de a nossa nacionalidade não ajudar por sermos um país pequeno com uma economia pouco significativa a nível mundial.

 

– Faz alguma preparação específica para uma corrida? Por exemplo, que cuidados tem de ter com a sua alimentação ou condição física?

Obviamente que esse ponto tem de ser sempre pensado, porque tem interferência direta na minha performance nas corridas, portanto a minha preparação física, assim como a alimentação, é pensada em função da minha atividade profissional.

 

– Já tem alguns anos no automobilismo. Quais são os seus objetivos futuros na modalidade?

Atualmente, só penso chegar ao título de Campeão no WTCC, o que seria fantástico.

 

– Em pista tenta sempre chegar à velocidade máxima. No seu dia-a-dia, também gosta de acelerar?

Não, felizmente tenho a possibilidade de exteriorizar toda a adrenalina em pista pelo que no dia-a-dia sou mais controlado e cumpro, por norma, as regras de trânsito.

– Que conselho daria a um jovem que gostaria de ter uma carreira no mundo do automobilismo?

Penso que quem quiser iniciar-se deve começa a fazê-lo pelo karting, que é uma verdadeira escola para o que vier a seguir. Ser piloto em Portugal é muito difícil, por isso é preciso ter bem a certeza que este é o caminho a seguir.

 

– Passa muito tempo fora de Portugal. Como consegue conciliar a sua vida pessoal com a profissional?

É complicado, mas felizmente a minha família compreende muito bem a minha profissão. Fazemos uma enorme gestão de tempo mas sempre que estamos juntos é tempo de qualidade. Muitas vezes para colmatar ausências, a minha família acompanha-me às provas.

 

– Gostaria que deixasse uma mensagem ao público que vai estar presente em Vila Real a torcer por si nesta prova…

Que se divirtam e que faça de Vila Real a melhor prova do ano. Tenho a certeza que vai ser uma bela festa e um fim de semana com duas grandes corridas!

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.