Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2022
©EN

ACES e CHTMAD unidos para levar cuidados médicos ao domicílio

Desde hoje que uma equipa de profissionais de saúde está no terreno para levar cuidados paliativos ao domicílio dos doentes. É um projeto pioneiro no distrito de Vila Real.

-PUB-

O distrito de Vila Real não tinha, até hoje, uma equipa comunitária de cuidados paliativos. Agora, graças a um projeto financiado pela Fundação La Caixa a equipa entrou em funcionamento.

“Este projeto surge de uma necessidade identificada há três anos, altura em que iniciámos o mandato neste agrupamento”, explica Gabriel Martins, diretor do ACES Douro Norte, acrescentando que “era um projeto de necessidade prioritária e que estava previsto arrancar logo no primeiro ano do mandato. Entretanto, a pandemia levou a sucessivos adiamentos e depois surgiu a oportunidade de, através de um convénio com a Fundação La Caixa, obter um financiamento para o funcionamento desta equipa que hoje vê a luz do dia”.

A equipa, composta por três médicos, dois enfermeiros, uma nutricionista, uma psicóloga e uma assistente social, está desenhada para atender cerca de 20 utentes com necessidades de cuidados paliativos, que “de outra forma não teriam este acompanhamento”, refere Bela Alice Costa, médica de família e membro da equipa.

Recorde-se que o ACES Douro Norte abrange sete concelhos (Alijó, Mesão Frio, Murça, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião e Vila Real), num total aproximado de 105 mil utentes inscritos.

As visitas domiciliárias desta equipa tiveram início hoje. A primeira paragem foi na Cumieira, seguindo-se Santa Marta de Penaguião e Moura Morta (Peso da Régua).

O projeto conta ainda com o apoio do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD).

Notícia desenvolvida na edição de 20 de janeiro

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.