Terça-feira, 23 de Julho de 2024
No menu items!




Aprovado concurso de 3 milhões para requalificar ligação a Montalegre

A abertura do concurso público para a requalificação do troço da Estrada Municipal 507, que liga Chaves a Soutelinho da Raia, foi autorizada na última reunião de câmara, na quinta-feira.

-PUB-

Vão ser investidos 3 milhões de euros, valor que é assumido integralmente pelo município flaviense, sem financiamento externo ou qualquer empréstimo.

Este “é um esforço importante” e “o maior investimento do município na rodovia nos últimos anos”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Chaves, Nuno Vaz.[/block]

A ligação a Montalegre já tinha sido reabilitada entre Soutelinho da Raia e a vila barrosã, a maioria do traçado no concelho vizinho e cerca de 1,5 quilómetros no concelho de Chaves, traduzindo-se esta última intervenção num investimento de 480 mil euros, faltando reabilitar cerca de 10 quilómetros.

O percurso é utilizado diariamente por centenas de pessoas para acesso ao hospital, trabalho e lazer. “Por se tornar fundamental para a centralidade dos territórios, era manifestamente uma intervenção já há muito ambicionada pelo município e população”, refere o autarca.

A empreitada visa “requalificar o pavimento de uma estrada que há mais de 30 anos não é intervencionada. Queremos melhorar as condições de mobilidade em segurança dentro do concelho, mas também que seja permitido de forma mais conveniente ao concelho vizinho de Montalegre, no principal acesso à autoestrada”, sublinhou o presidente do município.

A intervenção implica “a repavimentação, a melhoria de questões de drenagem, o incremento de mecanismos de segurança rodoviária, com mais rails de proteção, reforço da sinalização, colocação de lombas e construção de passeios”, e na parte urbana, em Chaves, “vai ser executado um troço de saneamento importante para beneficiar edificações que existem junto à via”.

TRAÇADO MANTÉM-SE

O traçado não vai sofrer alterações, não estando prevista no projeto a correção do mesmo, já que isso “poderia significar um valor absolutamente incomportável para o município, não há fundos comunitários para rodovia”, afirma Nuno Vaz, acrescentando que “equacionar ter uma intervenção que permitisse ganhar três ou quatro minutos no trajeto poderia incrementar o custo em 5 ou 6 milhões de euros”.

O município decidiu assim avançar já para a intervenção, “em vez de esperar mais uns anos para que eventualmente pudesse surgir alguma oportunidade de financiamento, incerta sempre”. O esforço orçamental só foi possível “porque nos últimos anos o município conseguiu fazer uma poupança significativa para poder, com dinheiro próprio, fazer esse investimento”.

Após o processo de contratualização do empreiteiro e o visto do Tribunal de Contas a obra poderá avançar, perspetivando o autarca que até ao final do ano esteja adjudicada.[/block]

[adrotate group="24"]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

[adrotate group="2"]

Mais lidas

[adrotate group="3"]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

[adrotate group="5"]