Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

“Bacalhau à Bragança” em duas dezenas de restaurantes na Semana Santa

Promovida pela ACISB, o evento decorre de 9 a 17 de abril e os restaurantes vão incluir nas ementas o “Bacalhau à Bragança”, uma recriação de uma receita dos anos 80, de Maria Odete Cortes Valente.

“Bacalhau à Bragança” é a designação dada ao prato que todos os restaurantes aderentes vão incluir nas suas ementas, recriando esta receita com a denominação “à Bragança”. Para além do bacalhau, o prato inclui diversos ingredientes muito usados no território, como o azeite, batatas, alho, cebola, louro, ovos, pimento vermelho e o “colorau” (pimentão moído), uma influência da vizinha Espanha, que usa este produto com muita frequência na sua gastronomia.

A receita foi partilhada com todos os aderentes que, respeitando na essência a forma de confeção e os ingredientes, vão dar o seu toque especial porque, dizem, “a mesma receita, feita por chefs diferentes, não sai igual”, explica a ACISB em comunicado.

Para além deste prato, cada um tem total liberdade para estimular a sua criatividade e surpreender o cliente, com menus completos ou pratos soltos integrados na ementa.

A Semana Gastronómica Bacalhau, que se realiza em plena Semana Santa, pretende também enaltecer a história das gentes do interior e permitir compreender os seus hábitos alimentares, condicionados também pela distância em relação ao mar.

O bacalhau não sendo um produto local “é, provavelmente, o peixe com maior importância na gastronomia transmontana. A razão é simples, historicamente era um produto relativamente barato, com enorme facilidade de conservação, nutritivo, saboroso e com uma imensidão de formas de o confecionar, resultando em pratos muito diferentes. Nas atividades agrícolas ainda hoje o bacalhau faz parte da ementa e dos alimentos que se transportam para as merendas no campo. É habitual fazer bacalhau frito e salada de bacalhau, por exemplo, na vindima. Em ambos os casos, sendo um prato principal, pode consumir-se frio, o que é mais uma vantagem obvia”.

Os restaurantes querem surpreender os visitantes usando de tradição, mas também de invocação e criatividade, transformando aquele que em tempos foi o alimento dos pobres, em escolhas “requintadas e sofisticadas, cheias de aroma, cor e sabor”.

Restaurantes participantes:

  • Quinta das Queimadas – Panorama
  • Quinta Dona Florinda
  • Quinta do Lagar
  • Tasca Noz
  • Tasca do Zé Tuga
  • Taberna do Javali
  • Restaurante Geadas
  • Restaurante Emiclau
  • Restaurante Rosina
  • Restaurante O Cavaleiro
  • Restaurante Restaurador
  • Restaurante Pincantone
  • Restaurante Tribuna
  • Restaurante Típico D. Roberto
  • Restaurante 2/4 de Pimenta
  • Restaurante O Javali
  • Restaurante O Acácio
-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.