Quarta-feira, 5 de Outubro de 2022

Bloco de partos poderá encerrar “alguns dias” em Bragança

A Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste informou hoje que o bloco de partos da maternidade de Bragança poderá encerrar “alguns dias” esta semana devido a baixa médica de uma especialista.

-PUB-

Num comunicado enviado às redações, a ULS começa por referir que “a atividade programada e urgência do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia estão a funcionar”.

“No entanto, por motivo de baixa médica de uma especialista do serviço, poderão verificar-se, em alguns dias desta semana, eventuais constrangimentos no atendimento urgente, sendo necessário ativar o plano de contingência, o que significa que o bloco de partos estará encerrado nesses dias”, acrescenta.

Nessas situações, explica a ULS do Nordeste, as utentes que recorram pelos próprios meios aos serviços de urgência “serão orientadas, após observação médica e se a situação clínica o justificar, para a unidade hospitalar de referência no âmbito do Serviço Nacional de Saúde”.

A maternidade mais próxima de Bragança é a de Vila Real, que fica a cerca de uma hora de distância.

A maternidade de Bragança é a única no distrito transmontano e dista mais de uma hora de parte dos 12 concelhos da região, havendo casos, como o de Freixo de Espada à Cinta, em que a viagem demora cerca de hora e meia.

Embora a maior parte da população da região esteja mais próxima de Bragança, há concelhos, como Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo, Vila Flor, Alfândega da Fé ou Mirandela que estão a distâncias idênticas, em termos de tempo de viagem, de Bragança e de Vila Real.

No caso do concelho de Carrazeda de Ansiães, apesar de pertencer ao distrito de Bragança, a viagem até Vila Real é mais curta.

Para outros concelhos como Mogadouro, Miranda do Douro, Vinhais ou Vimioso, a distância é maior até Vila Real do que até Bragança.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.