Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Concelho com cinco percursos pedestres

Trinta e dois quilómetros em percursos pedestres foram criados e sinalizados, pela Câmara Municipal de Vila Real, em algumas das suas freguesias.   Dotar o concelho de um conjunto de infra-estruturas de apoio ao Turismo de Natureza, proporcionando, aos turistas, o fruir do seu património ambiental e paisagístico, é o objectivo da autarquia, ao criar […]

Trinta e dois quilómetros em percursos pedestres foram criados e sinalizados, pela Câmara Municipal de Vila Real, em algumas das suas freguesias.

 

Dotar o concelho de um conjunto de infra-estruturas de apoio ao Turismo de Natureza, proporcionando, aos turistas, o fruir do seu património ambiental e paisagístico, é o objectivo da autarquia, ao criar cinco roteiros pedestres, no concelho. Nomeadamente, o das “Três Aldeias – Etnográfico”, “Constantim – Histórico-Cultural”, “Carvalhal – Flora”, “Mineiro – Geológico” e o já conhecido percurso pedestre do “Lobo – Fauna”.

O primeiro tem uma distância de seis quilómetros e liga as aldeias de Linhares, Vila Meã e Águas Santas. Contém uma forte componente de ruralidade e é caracterizado por uma paisagem de montanha, manchas de floresta e a existência de alguma fauna selvagem.

O circuito de Constantim tem como grandes referências a passagem pelo Santuário de Panóias e pelas Igrejas Matrizes de Constantim e de Assento. Possui uma distância de três quilómetros, com uma duração de marcha pedestre de duas horas.

O circuito do Carvalhal é, sem dúvida, o mais “verde”. Carvalhos e castanheiros marcam, acentuadamente, este trajecto, onde surge, também, uma grande riqueza, ao nível da fauna, nomeadamente gato-bravo, javali, coruja do mato, entre outras espécies. Possui este circuito, também, motivos de interesse histórico-cultural, nomeadamente a Igreja Matriz de S. Miguel da Pena, as Capelas de Vilarinho e de Nossa Senhora de Fátima e os cruzeiros dos núcleos populacionais de Gontães e S. Miguel da Pena. São cinco quilómetros que podem cumprir-se, também, em cerca de duas horas.

O percurso pedestre “Mineiro” aparece bem exposto nos seus doze quilómetros. A paisagem geológica é impressionante e, embora não se ouçam as vagonetas nas minas, sente-se, ainda, a imensidão do que foi a extracção de ferro, na zona de Vila Cova, tudo isto aliado à beleza natural circundante, bem como os motivos de visita às povoações de Mascoselo e Vila Cova, sem esquecer a elevação da capela de Nossa Senhora de La Sallete, de onde se desfruta uma magnífica paisagem. Este circuito dura, em média, quatro horas, mas o tempo será bem empregue.

Por fim, o troço pedestre do Lobo. Começa e acaba em Samardã e desenvolve-se em trilhos do carismático (amado e odiado) animal. Quem o percorrer, encontrará muitos motivos de interesse, nomeadamente no que diz respeito à arquitectura tradicional. É um circuito com seis quilómetros de extensão, em montanha, de onde sobressai o célebre “Fojo do Lobo”.

 

José Manuel Cardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.