Terça-feira, 23 de Julho de 2024
No menu items!




Corporação aguarda por criação de terceira EIP para “fixar bombeiros”

Servindo uma população de cerca de 4 mil habitantes, socorrer as pessoas é a prioridade principal, tendo capacidade de resposta em cada intervenção.

-PUB-

Como em tantas outras corporações, os Bombeiros Voluntários de Sendim (BVS) sentem os efeitos do despovoamento. Comandante desde 2019, Carlos André conta com duas Equipas de Intervenção Permanente (EIP) e aguarda pela criação da terceira, o que vê como uma “forma de fixar bombeiros”. “É uma mais-valia, criamos postos de trabalho e fixamos aqui famílias. Ficamos sempre melhor servidos, pois são mais profissionais que temos”, já que o voluntariado “cada vez falta mais”, por isso vão “’segurando’ com os elementos da EIP”.

Além disso, entende “que vai ser o futuro, profissionalizar os bombeiros”, visto que “as exigências são outras”.

Recentemente integraram seis estagiários, “é uma ajuda”. Mesmo com a “dificuldade em arranjar gente para formar”, a verdade é que a maioria do quadro ativo situa-se entre os 20 e os 40 anos.

Por outro lado, os serviços de transporte têm aumentado e mesmo com 5 a 8 ambulâncias diariamente na estrada, por vezes têm “de recusar serviços”. Com 22 funcionários, é uma entidade “que já cria postos de trabalho e tem condições para criar mais”, segundo o presidente da Associação, Ilídio Rodrigues, como é o caso de condutores, mas tem-se revelado difícil.

“Esta é uma entidade que já cria alguns postos de trabalho e ainda tem condições para criar mais”
Ilídio Rodrigues – Presidente

“Pouco a pouco vamos lá, mas não temos o voluntariado de há 15 ou 20 anos, por isso a solução é, não digo uma profissionalização total, mas uma semi-profissionalização”, frisa.

A grande ambição da instituição “é ter homens e mulheres bem treinados e formados, e bom equipamento”.

O responsável vê vantagens em passar a ser PEM, e não apenas de reserva, que garantiria mais apoio. “Nós temos de fazer o trabalho da mesma forma, se eles respondem num minuto, nós temos de responder num minuto e um segundo”, afirma.

Nos últimos tempos conseguiram três novas ambulâncias, uma doada, outra adquirida apenas com verbas próprias e para a de emergência médica contaram com algum apoio do município.


Pode consultar o suplemento dedicado aos bombeiros AQUI

[adrotate group="24"]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

[adrotate group="2"]

Mais lidas

[adrotate group="3"]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

[adrotate group="5"]