Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Cruz Vermelha aposta em novos serviços para estar mais próxima da população

A Cruz Vermelha Portuguesa foi criada em fevereiro de 1865 pelo médico militar José António Marques.

Anos mais tarde, já no século XX, mais propriamente em janeiro de 1916, era criada uma delegação em Vila Real, que se mantém até aos dias de hoje.

Atualmente, a delegação é liderada pelo coronel Cesário Rocha, que tomou posse em fevereiro deste ano. À data, a nova direção elencou alguns desafios para o seu mandato, nomeadamente no que à promoção e proteção da saúde diz respeito, uma vez que estas “são essenciais para o bem-estar da população e para o desenvolvimento social sustentável da população vulnerável de Vila Real”.

Destacou a unidade de medicina física e de reabilitação, que “continua a ser a grande fonte de rendimento”, e também o posto de socorros, “onde pretendemos sustentar a prestação de cuidados a pessoas idosas, com dificuldades de mobilidade e isolamento. As funções do enfermeiro incluem prestar cuidados, dar informação e educar para a saúde, monitorizar sinais vitais, entre outros”.

Três meses depois da tomada de posse, num sentido de prestar mais e melhores serviços, esta direção pretende alargar a oferta de serviços, nomeadamente para ir ao encontro das necessidades percecionadas, assim há já novos serviços à disposição da população no posto de socorros, situado junto ao Mercado Municipal.

“Este posto de socorros é muito procurado pela população idosa e queremos alargar a prestação de cuidados. Queremos implementar a visitação domiciliária e alargar o horário de funcionamento do posto para que as pessoas que nos procurem vejam satisfeitas as suas necessidades, nomeadamente nos procedimentos de enfermagem”, explica o responsável.
No posto é possível “monitorizar os sinais vitais, através da avaliação da tensão arterial, dos níveis de glicémia, de colesterol, fazer tratamentos de enfermagem, entre muitos outros procedimentos, e disponibilizamos consultas de clínica geral às terças-feiras de manhã”.
“No início de junho teremos também outras ofertas, nomeadamente, consulta de podologia e psicologia e ainda consultas de acupuntura”, acrescenta.

“Estamos a falar de uma população com alguma dificuldade em cuidar dos seus pés, sendo importante prevenir, diagnosticar e tratar possíveis alterações, porque têm inúmeras repercussões no corpo humano. Por isso, achamos fundamental investir na consulta de podologia”, refere, acrescentando que “a pandemia trouxe ao de cima a vulnerabilidade das pessoas, sendo que muitas delas ficaram fechadas em casa, sem qualquer retaguarda. As pessoas idosas podem ter sido afetadas emocionalmente, seja por problemas do quotidiano ou pela solidão. Os psicólogos são profissionais com uma escuta qualificada, preparados para analisar e apresentar alternativas. É, por isso, que queremos disponibilizar consultas de psicologia”.

Quanto às visitas domiciliárias, “é um procedimento dos mais eficientes, utilizado para proporcionar ajuda às famílias, facilitando a prestação de cuidados de enfermagem de acordo com as necessidades individuais e familiares, pelo que podem contactar o posto de socorros, e será estabelecido um plano individual de tratamento de acordo com as necessidades apresentadas”.

A delegação de Vila Real da Cruz Vermelha quer “adaptar-se” aos novos tempos e às novas realidades. “Queremos manter o tradicional, dando-lhe alguma modernidade”, afirma Cesário Rocha, referindo que “estamos a aumentar a capacidade da unidade de medicina física e de reabilitação, com mais profissionais, de forma a podermos ter mais disponibilidade para a população”, reforça, indicando que “também a nossa sede está a ser reestruturada de forma a potenciar as atividades que lá desenvolvemos, nomeadamente o voluntariado”.

Além destes serviços, a Cruz Vermelha de Vila Real presta apoio a cerca de 60 famílias em bens alimentares e vestuário e disponibiliza ajudas técnicas, com camas articuladas, cadeiras de rodas, cadeiras sanitárias e andarilhos. “Queremos que a população sinta a Cruz Vermelha presente e ativa. Assim, em breve, vamos publicar uma newsletter com a finalidade de divulgar o trabalho realizado pela instituição”.

Para já, “apelamos a que todas as pessoas que tenham algum tempo livre e vontade de ajudar, se inscrevam como voluntários da Cruz Vermelha, para nos ajudarem a estarmos mais próximos das pessoas”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.