Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2021

Doença arterial periférica

O diagnóstico precoce da doença arterial periférica “é fundamental para minimizar o impacto desta doença na qualidade de vida”.

-PUB-

Estima-se que a doença arterial periférica atinja até 10% da população com 60 anos de idade, aumentado para mais de 15% após os 70 anos. 

Esta doença carateriza-se pela obstrução progressiva das artérias, mais frequentemente dos membros inferiores. É responsável pela maioria dos eventos cardíacos (enfarte agudo do miocárdio) e cerebrovasculares (AVC ou Acidente Vascular Cerebral). Assim, nas pessoas com doença arterial periférica, o risco de morte aumenta até 25%.

CAUSAS E FATORES DE RISCO 

A causa mais comum da doença arterial periférica é a aterosclerose, uma doença inflamatória que provoca deposição de gordura e cálcio na parede das artérias. 

Os fatores de risco mais comuns, que podem aumentar até 11 vezes o risco de desenvolvimento da doença, são as pessoas do sexo masculino; hipertensão arterial; valores elevados de lípidos no sangue ou dislipidemia; tabagismo; diabetes; e insuficiência renal crónica.

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

O diagnóstico e tratamento da doença arterial periférica precoce são determinantes para a possibilidade de recuperação e prognóstico da doença. 

Nas fases iniciais, a doença arterial periférica é geralmente assintomática ou provoca dor na barriga da perna e claudicação com o andar (deambulação), que aliviam com o repouso. Estes sintomas devem-se à isquemia (fluxo de sangue arterial insuficiente) induzida pelo exercício e reversível com o repouso.

Em fases avançadas pode haver dor no pé em repouso, por isquemia irreversível, ou mesmo feridas e gangrena. O risco de amputação nestas fases avançadas da doença, aumenta 30% ao ano, sobretudo na presença de infeção. 

O tratamento pode incluir desde caminhadas regulares e controlo dos fatores de risco, nas fases iniciais, até medicação específica (por exemplo com aspirina, estatinas, antibióticos, entre outros) e tratamento cirúrgico nos casos avançados.

Até há poucos anos, os casos graves de doença arterial periférica com indicação cirúrgica eram submetidos a cirurgia clássica, aberta, de “bypass”, para resolução das obstruções em doentes graves. 

Com o desenvolvimento de técnicas e dispositivos endovasculares passou agora a ser possível tratar muitos desses doentes com intervenções minimamente invasivas. Os resultados destas abordagens são semelhantes aos da cirurgia clássica, mas o risco de morbilidade e mortalidade é inferior. 

Em doentes diabéticos, nos quais a doença arterial periférica tem uma localização preferencial abaixo do joelho e que muitas vezes não podem ser submetidos a cirurgia aberta, estas novas técnicas minimamente são hoje soluções essenciais e definitivas para o tratamento de feridas, com ótimos resultados imediatos.

A evolução em termos de materiais ultrafinos, tecnologias eluidoras de fármaco, stents ultraflexíveis e biomiméticos, acompanhados por dispositivos de imagem de última geração, disponíveis na rede Hospital da Luz, aliados às equipas de cirurgia vascular com experiência reconhecida, permite hoje dar resposta e tratar um conjunto vasto de doentes, diminuindo significativamente a taxa de amputação e promovendo a qualidade de vida e a autonomia dos doentes.

Este artigo é da responsabilidade de Mário Marques Vieira, especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular, no Hospital da Luz Vila Real

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.