Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021

Eixo Atlântico defende que Trás-os-Montes necessita de uma imagem de marca

 O secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoán Mao, defendeu que a região de Trás-os-Montes necessita de uma imagem de marca e de uma voz única capaz de se fazer ouvir em Lisboa.

-PUB-

A Associação Eixo Atlântico – que agrega 28 municípios portugueses e galegos – apresentou hoje, em Mirandela, os relatórios estratégicos que elaborou para os concelhos de Bragança, Mirandela e Macedo de Cavaleiros, com a ausência de representante deste último dos três municípios do distrito de Bragança.

Xoán Mao afirmou que este trabalho “é quase um plano estratégico para o próximo quadro comunitário de apoio, para as políticas autárquicas” desta região que, conclui, “não tem uma voz única em Lisboa, não tem uma imagem única”.

“Trás-os-Montes tem uma situação privilegiada, no meio de três das principais linhas ferroviárias (do norte da Península Ibérica), incluindo o TGV galego. Como é que um território de 800 mil habitantes não consegue ter uma voz única?”, questionou.

O secretário-geral do Eixo Atlântico atribuiu a situação a “um problema de bairrismo” e considerou que os agentes locais, nomeadamente os autarcas, “não podem continuar cada um virado para seu lado”.

O Eixo Atlântico identificou 14 linhas estratégicas, cada uma com três a cinco medidas, para a região que passam, entre outras, pela promoção externa e captação de investimento, o uso eficiente dos recursos naturais, a eficiência energética, qualificação dos recursos humanos, desenvolvimento de um 'cluster' (centro) do setor automóvel ou por complementar a rede rodoviária e mobilidade interna.

O dirigente vincou que Trás-os-Montes fica entre dois eixos importantes, a 200 quilómetros do Porto e outros tantos de Madrid, e com as novas estradas e o TGV espanhol a passar a 20 minutos de Bragança, novas portas de abrem, nomeadamente para o turismo.

A questão que coloca é: “o que tem a região para oferecer, quantas lojas tem de produtos regionais?"

“Temos uma oferta gastronómica, no conjunto, espetacular, mas não temos uma marca, um carimbo único de Trás-os-Montes”, afirmou, defendendo que a região precisa de “organizar a oferta turística de forma articulada, coordenada”.

Xoán Mao criticou a última reivindicação da região Norte de Portugal de uma nova ligação ferroviária de Leixões, no Porto, a Zamora, em Espanha, para defender várias ligações entre a linha do Douro e a ferrovia na Galiza.

Criticou ainda a mais recente reivindicação da região de uma nova ligação à fronteira, desde Macedo de Cavaleiros até à Gudinha, passando por Vinhais, sem que ainda esteja construída a estrada reclamada há mais de 20 anos entre Bragança e Puebla de Sanábria.

Xoán Mao considerou ainda que “Trás-os-Montes tem de ter um tratamento de discriminação positiva por parte do Governo e um tratamento específico, aproveitando a sua posição estratégica absolutamente privilegiada”.

O presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, concordou que “tem de haver alguma unanimidade no tratamento deste tipo de assuntos” e “no sentido de se definir uma orientação que possa servir a todos”.

Também a presidente da Câmara de Mirandela, Júlia Rodrigues, reconheceu que é “preciso trabalhar nesta nova abordagem territorial.

Da plateia que assistiu à apresentação do Eixo Atlântico surgiu a critica do deputado da Assembleia Municipal de Mirandela, eleito pelo PSD, António Figueiredo, para quem esta explanação é o “encarrapitar de relatório sobre relatório”.

“Uma lenga-lenga que se vem a proclamar pelo Interior e não se faz nada pelo Interior”, apontou.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.