Terça-feira, 19 de Outubro de 2021
©MR

Fixar pessoas e lutar contra a exploração mineira entre as prioridades

Candidatos à Câmara de Montalegre deram a conhecer algumas das suas propostas para o concelho, num debate promovido pela Rádio Montalegre, em parceria com a VTM.

-PUB-

Orlando Alves (PS), José Rodrigues (PSD) e José Afonso (CDU), são os candidatos à Câmara Municipal de Montalegre. Na quarta-feira, deram a conhecer algumas das suas propostas para o concelho, desde logo para atrair e fixar população.

O candidato do PSD quer “criar tecido empresarial mais dinâmico, até porque hoje em dia os grandes empregadores são a câmara, entidades de segurança social e os bombeiros. Além disso queremos criar um serviço municipal de creche no baixo barroso”.

Do lado da CDU, José Afonso lembra que “não há emprego para os jovens e temos de aproveitar o facto de estarmos perto da fronteira para atrair empresários espanhóis” e acrescenta que “em pleno século XXI temos muitas aldeias sem saneamento e até parte da vila”.

José Rodrigues, candidato do PSD

Orlando Alves, que é também o atual presidente da autarquia, garante que “temos feito muito para fixar população”, lançando, de seguida, farpas à oposição, neste caso ao PSD.

“Há aqui um paradoxo gravíssimo, quem quer criar emprego não chama a polícia às empresas”, referindo-se às buscas da Polícia Judiciária (PJ) na câmara, que terão acontecido depois de uma denúncia do PSD. Para Orlando Alves, “só se fixam pessoas com emprego e para isso é preciso que todos combatam o flagelo”.

Em resposta, José Rodrigues afirmou que “sim, apresentámos uma queixa”. “Se há corrupção em Montalegre não sei, não sou juiz, mas há suspeitas”, acrescentou, referindo que “há pelo menos três processos em causa”.

“Não fizemos denúncia só porque sim, mas porque foi feita uma avaliação e estudos técnicos sobre excesso de faturação”, frisou, dando exemplo de duas situações em concreto.

“Foi feita uma limpeza na Aldeia Nova, um pinhal com cerca de seis hectares. Segundo o ICNF seriam necessários 10 mil euros, a câmara gastou 74 mil. Já em Ludeiro de Arca, em 2019, o orçamento era de 121 mil euros, a câmara gastou 117 mil. Consultámos um técnico que nos disse que bastavam 31 mil euros”, disse.

Sobre este assunto, José Afonso não acredita que “se passe algo assim de tão grave na câmara para vir a PJ”, mas adianta que “há oito anos o senhor presidente prometeu criar emprego para apoiantes do partido e isso verifica-se. Já se sabe quem vai entrar e sair e não acho isso correto. A democracia atual está corrupta e é preciso mudar isso”.

EXPLORAÇÃO MINEIRA

Mas o tema que mais gerou controvérsia foi a exploração mineira, com PSD e CDU a mostrarem-se contra.

José Afonso, candidato da CDU

“Há quatro anos apareceu aqui a Lusorecuros, a prometer tudo e mais alguma coisa, as pessoas é que não foram na conversa”, afirma José Afonso. O candidato da CDU salienta que “o professor Orlando Alves fala muito do Património Agrícola Mundial, mas se o projeto mineiro for avante, esse selo acaba. As pessoas nas aldeias vão sofrer muito, com o pó, a poluição, os terrenos destruídos. Com a exploração mineira, em vez de atrairmos os mais novos, vamos acabar por mandar embora os mais velhos, como aconteceu com as barragens”.

Do lado do PSD, José Rodrigues mostrou-se “totalmente contra as minas”, por serem “uma agressão ao território”.

“No seguimento do que disse o José Afonso, a exploração mineira coloca em causa o selo de Património Agrícola da FAO, um selo que nos deve honrar a todos”, reforça, acrescentando que “tudo farei para evitar a exploração mineira no nosso concelho, ao lado das Associações e da sociedade civil que defendem o mesmo que nós”.

Intervenção de Orlando Alves, candidato do PS

Quanto a Orlando Alves, vincou que “a câmara municipal nunca teve uma posição oficial sobre o assunto”. “Há aqui duas questões, o lítio e o volfrâmio, são coisas diferentes”, frisa, explicando que “quanto ao lítio, não será tomada qualquer posição enquanto não estiver disponível o Estudo de Impacte Ambiental (EIA), mas pessoalmente sou a favor de tudo o que seja desenvolvimento económico, criação de riqueza e postos de trabalho, com vista à fixação de pessoas, desde que seja tudo feito de acordo com os valores patrimoniais, ambientais e paisagísticos”.

Sobre o volfrâmio, o socialista lembra que “lutei por um parecer favorável à sua exploração nas minas da Borralha, em Salto, que foi sempre uma terra de minas. Foi graças a elas que Salto se afirmou. Ali trabalhavam cerca de 800 pessoas e hoje só meia dúzia de pessoas é que estão contra”.

Os candidatos apresentaram ainda as suas propostas para áreas como a cultura, o desporto e o apoio à agricultura.

Pode ver, ou rever, o debate AQUI.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.