Terça-feira, 30 de Novembro de 2021

Funcionários da Continental sentem-se “inseguros” com Covid-19

Empresa assegura que adotou as “todas as medidas de prevenção para garantir a segurança” dos colaboradores

-PUB-

Alguns funcionários da Continental, a filial de Vila Real que fabrica antenas inteligentes, mostram-se “muito apreensivos e inseguros” sobre as condições de trabalho na área da produção.

Em declarações à VTM, um dos funcionários, que pediu anonimato, revelou que a empresa informou que “vão tentar manter a produção” durante o maior tempo possível. No entanto, há vários empregados que não se sentem seguros em trabalhar tão próximos uns dos outros. “Estou a trabalhar num espaço com menos de um metro quadrado, onde estamos cinco pessoas, portanto, não é respeitado o distanciamento necessário, o que me deixa muito inseguro no meu local de trabalho”, contou.

Este profissional diz não compreender porque motivo as chefias "não estão na empresa" e lamenta que as medidas adotadas não sejam suficientes. “Muitas vezes, chego para fazer o meu turno e nem tenho desinfetante para lavar as mãos”, revela, adiantando que “há vários funcionários que estiveram em países de risco, como França ou Malta, e continuam a ir trabalhar, sem saber se estão ou não com o vírus”.

Um outro colaborador, que também não se quis identificar, confirmou que a distância entre as pessoas que trabalham na produção “não está a ser cumprida”, no entanto referiu que outro grande problema “é quando se deslocam para a cantina ou para o tempo da pausa”, onde têm de proceder “à identificação com os pés”. “Forma-se uma fila e parecemos sardinhas enlatadas”, lamenta, adiantando que quando alguém tosse, “ficam todos em pânico”.

Apesar do receio em falar abertamente sobre o assunto, o certo é que estes funcionários “não se sentem seguros” e defendem que a fábrica deveria “encerrar durante algum tempo por precaução e em defesa da saúde dos seus trabalhadores”.

A VTM contactou a Continental, que sublinhou que “está a seguir todos os procedimentos que estão a ser adotados pelo grupo a nível mundial, destacando que foi criada uma “equipa interna de Contingência, que tem reuniões diárias”, e sempre que se justifique, “implementa as medidas preventivas necessárias”.

Foram colocados “dispensadores de desinfetante em toda a fábrica, com especial incidência nos pontos de maior contacto, nomeadamente as entradas e saídas. Foi desativada a picagem do ponto e acesso às instalações através da impressão digital, estando apenas em vigor o acesso e picagem através do cartão de funcionário”.  

Fonte da Continental disse ainda que têm várias funcionárias de limpeza alocadas à higienização das superfícies comuns de toda a fábrica, como puxadores, corrimões ou secretárias”, além de ter um enfermeiro diariamente na fábrica que “faz auditorias ao plano de contingência e sensibiliza para o cumprimento das regras”.  

Acrescenta também que foi realizado um plano de contingência para a utilização da cantina e das áreas comuns, com a “restrição de as pessoas se sentarem a um metro de distância, as superfícies estão a ser higienizadas regularmente”. Foram feitos “novos horários de pausas e refeições para evitar aglomerados na cantina”, acrescentando que os funcionários da cantina “utilizam luvas e máscara”.

A Continental sublinhou que tem uma área de “isolamento pronta para receber possíveis casos suspeitos, equipada com todo o material necessário imposto dela Direção Geral de Saúde”.  

Há ainda alguns colaboradores em “teletrabalho para garantir o mínimo de pessoas possível nas instalações”, tendo ainda um “canal aberto de comunicação para sugestões ou dúvidas que possam surgir”.

Entretanto, a Continental adiantou ainda que "vai reduzir em um terço dos funcionários na próxima semana". 

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.