Quarta-feira, 5 de Outubro de 2022

Geopark com selo da UNESCO renovado

O Comité de Coordenação dos Geoparques Globais da UNESCO revalidou por mais quatro anos o estatuto do Geopark Terras de Cavaleiros.

-PUB-

O anúncio foi feito pela autarquia de Macedo de Cavaleiros, para quem, esta decisão, “vem validar todo o trabalho desenvolvido nos últimos anos com vista à promoção e melhoria do estatuto de geoparque da UNESCO”.

De acordo com Benjamim Rodrigues, presidente da autarquia, “tem sido um trabalho árduo, que procura cumprir as exigências definidas pela UNESCO, no que diz respeito ao trabalho de conservação do parque, combinado com o desenvolvimento sustentável e sempre envolvendo as comunidades locais”.

“É com grande orgulho que recebemos a notícia de que o pedido de revalidação do estatuto efetuado o ano passado foi aprovado sem quaisquer restrições”, adianta Benjamim Rodrigues.

De referir que o Comité de Coordenação dos Geoparques Globais da UNESCO reuniu-se na Tailândia, no início deste mês, para avaliar os novos pedidos (9) e as 28 revalidações dos atuais geoparques. A ponderação do estatuto estava em atraso devido à pandemia de Covid-19, mas das 28 revalidações, 25 receberam cartão verde.

Benjamim Rodrigues recorda que “o Geopark Terras de Cavaleiros tem feito um grande esforço, mesmo durante os períodos mais conturbados da pandemia, para continuar a envolver as populações locais, bem como para potenciar a vertente de geoeducação”, acrescentando que “tem sido feito um trabalho de promoção da gastronomia local, nomeadamente através do programa GEOFood”.

O geopark Terras de Cavaleiros tem uma extensão de quase 700 quilómetros quadrados, sendo ladeado a Norte pela Serra de Nogueira, ao Centro pela de Ala (844m) e pela do Cubo, a Sul pela Serra de Bornes e a Este pelo Monte de Morais.

O território foi reconhecido pelas Redes Europeia e Global de Geoparks da UNESCO em setembro de 2014 e como Geoparque Mundial da UNESCO em novembro do ano seguinte.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.