Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

GNR deteve oito mulheres brasileiras, num estabelecimento nocturno

Na madrugada de domingo, oito mulheres, de nacionalidade brasileira, foram interceptadas pela GNR e NIC de Moimenta da Beira, num estabelecimento nocturno, em A-de-Barros (Sernancelhe). Destas, com idades compreendidas entre os vinte e os trinta anos, duas foram encontradas em situação ilegal, pelo que acabaram por ser detidas e presentes no Tribunal de Moimenta da […]

Na madrugada de domingo, oito mulheres, de nacionalidade brasileira, foram interceptadas pela GNR e NIC de Moimenta da Beira, num estabelecimento nocturno, em A-de-Barros (Sernancelhe). Destas, com idades compreendidas entre os vinte e os trinta anos, duas foram encontradas em situação ilegal, pelo que acabaram por ser detidas e presentes no Tribunal de Moimenta da Beira. Três delas foram notificadas para abandonar o país, nos próximos vinte e dias. As restantes são obrigadas a apresentar-se, nas Delegações do SEF, na Guarda e Viseu.

Na mesma operação e na EN 226, uma das que dá acesso ao estabelecimento nocturno, a GNR apreendeu, na posse de um condutor de Tarouca, de 23 anos, oito gramas de haxixe.

Esta operação envolveu uma dezena de militares e culmina um ano em que esta força de segurança desenvolveu apertada vigilância sobre bares de alterne e casas de diversão nocturna, das zonas de Moimenta da Beira, Sernancelhe e S. João da Pesqueira. Ao todo, foram interceptadas, em 2006, até agora, mais de trinta pessoas, e levadas a efeito perto de uma dúzia de rusgas, a este tipo de estabelecimentos de diversão.

O combate à presença de cidadãs e cidadãos, em situação ilegal, no país, e ao tráfico, consumo de estupefacientes e de álcool estiveram na mira da área do Comando de Destacamento da GNR de Moimenta da Beira.

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.