Domingo, 3 de Julho de 2022

GNR lança operação de fiscalização de caça, no Douro

Cento e vinte caçadores foram “passados a pente fino”, no domingo, numa operação desencadeada pela GNR, nos concelhos de Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Mesão Frio e Alijó. Neste acção decorreu entre as 6 e as 12.30 horas. Foram detidos três indivíduos, por caça ilegal, levantado um auto de contra ordenação, aprendidas várias […]

Cento e vinte caçadores foram “passados a pente fino”, no domingo, numa operação desencadeada pela GNR, nos concelhos de Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Mesão Frio e Alijó.

Neste acção decorreu entre as 6 e as 12.30 horas. Foram detidos três indivíduos, por caça ilegal, levantado um auto de contra ordenação, aprendidas várias peças de caça, artefactos e chamarizes proibidos, armas e munições. Os casos de maior incidência ocorreram em Pinhãocel (Sabrosa) e Mesão Frio.

Participaram nesta operação sessenta militares da GNR, de vários postos da região, adstritos ao Comando de Destacamento, elementos do NIC, Patrulhas Florestais, SEPNA e GIPs da GNR, auxiliados por dezasseis viaturas. Foi a primeira vez que tal fiscalização teve tal envergadura de meios.

“Foi uma acção piloto que teve como objectivo verificar o cumprimento da Lei da Caça e, ao mesmo tempo, dar resposta a um conjunto de queixas de dirigentes de Zonas de Caça Associativa que alegavam a invasão constante dos seus espaços” – disse o Comandante do Destacamento da GNR de Peso da Régua, Gonçalves Lima. Segundo o mesmo, “no futuro, estas operações vão ser intensificadas”.

De acordo com o mesmo responsável, “a operação decorreu bem e o seu efeito residual persuasivo pode ser importante, para a adopção de boas práticas, na Caça”.

Nos últimos tempos, a presença de caçadores furtivos, em reservas de caça, eram, cada vez mais, constantes, e o descontentamento manifestado aumentava, nos diversos postos da GNR”.

Perdizes e tordos foram algumas das peças de caça apreendidas pelas autoridades que, depois, foram entregues a uma instituição de solidariedade social.

Uma das particularidades desta operação prendeu-se com o facto de a mesma contar com a “preciosa informação fornecida por alguns caçadores da região que cumprem a Lei e que não gostam dos infractores”.

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.